Visitas: 223244  

Mentor espiritual, seu verdadeiro terapeuta| Jornal Alternativo

Mentor espiritual, seu verdadeiro terapeuta

Num artigo anterior “Mentor espiritual, seu verdadeiro amigo”, fiz uma homenagem a esse ser benfeitor, nosso verdadeiro escudeiro, mestre e amigo fiel, responsável diretamente pela nossa evolução espiritual, e que nunca nos abandona –embora muitas pessoas ainda desconheçam a sua existência-, principalmente nos piores momentos de nossas vidas.
Sendo assim, quero ressaltar que o mentor espiritual, além de ser um amigo fiel é, sobretudo, um grande mestre, nosso verdadeiro terapeuta, pois nos conhece profundamente (vem nos acompanhando em várias encarnações).

Desta forma, na TRE (Terapia Regressiva Evolutiva) -A Terapia do Mentor Espiritual- Abordagem psicológica e espiritual breve, canalizada por mim pelos Espíritos Superiores do Astral, é sempre o mentor espiritual do paciente que descortina o “véu do esquecimento” de seu passado (barreira da memória que se manifesta em forma de amnésia, e que nos impede de acessarmos as nossas lembranças reencarnatórias) para que ele possa se libertar de seus bloqueios, e com isso, viver a vida de forma mais livre e autônoma.

Nessa terapia, como terapeuta, sou um facilitador, um co-terapeuta, pois busco auxiliar o mentor espiritual do paciente, criando todas as condições necessárias para abrir o canal de comunicação, para que ele possa conversar diretamente com o paciente e orientá-lo acerca de seus problemas.
Não obstante, recebo diariamente inúmeros e-mails dos leitores de meus artigos, descrevendo detalhadamente os seus problemas e, no final, me perguntam qual a causa de seus problemas e a sua resolução. Outros ainda querem uma terapia à distância, on-line, com hora marcada, argumentando que moram longe (de outros estados ou de outros países) e, por isso, não podem vir ao meu consultório em São Paulo.

Aproveito esse artigo para esclarecer a esses leitores, que seria muita irresponsabilidade de minha parte como terapeuta e falta de compromisso com a verdade, responder seus e-mails, dizendo-lhes a causa e a resolução de seus problemas. Ora, cada ser humano é único e, portanto, tem uma história de vida também única. Sendo assim, como se diz no jargão médico “Cada caso é um caso”, e fica claro porque não faço uma consulta on-line ou por telefone.
Quero ressaltar também que, mesmo o paciente vindo pessoalmente ao meu consultório, não sou eu que irei dar respostas às suas indagações, mas sempre será o mentor espiritual de cada paciente que irá orientá-lo.

Em “A arte da felicidade - Um manual para a vida”, escrito pelo psiquiatra americano Howard C. Cutler, em parceria com sua Santidade o Dalai Lama, o autor ilustra claramente nesse livro a particularidade e a singularidade do individuo, ou seja, a complexidade dos problemas humanos.
Num desses encontros com o Dalai Lama, Dr. Cutler descreveu o caso de uma paciente que persistia em manter comportamentos autodestrutivos (no livro, o autor não especificou quais eram esses comportamentos).

O psiquiatra queria saber do mestre tibetano se ele tinha uma explicação para esses comportamentos, e como poderia lidar com a paciente. Pensativo, depois de uma longa pausa, o mestre tibetano simplesmente respondeu que não sabia.
Ao perceber a reação de espanto do psiquiatra, o Dalai Lama esclareceu que do ponto de vista do Budismo são muitos os fatores que contribuem para um determinado tipo de comportamento humano, e que a visão ocidental procura explicar tudo de uma forma simplista dentro de uma única vida, negando a existência de vidas passadas (o paradigma médico e psicológico vigente da ciência ocidental materialista, busca explicar o comportamento humano baseando-se apenas no cérebro e nesta encarnação, preferindo ignorar a tese reencarnacionista, isto é, a pluralidade das existências).

Parafraseando a resposta dada por esse líder espiritual tibetano, respondo também aos leitores de meus artigos que me mandam e-mails pedindo orientação, que não sei, e que infelizmente não tenho (queria tê-las) as respostas aos seus problemas, a solução de suas angústias, inquietações e mazelas, mas ressalto que o seu mentor espiritual as tem, pois ele sim é o seu verdadeiro terapeuta.

Explica porque a TRE -A Terapia do Mentor Espiritual- é conhecida pela sua brevidade, eficácia e segurança, pois o mentor espiritual do paciente -por conhecê-lo profundamente- vai direto ao ponto, sem rodeios, mostrando-lhe com objetividade e sabedoria a causa de seu(s) problema(s) e sua resolução. E, mesmo após o término dessa terapia, recebo e-mails de pacientes me relatando que o seu mentor espiritual continua orientando-os em sua vida.

Caso Clínico:
Por que não consigo sair desse triângulo amoroso?
Homem de 30 anos, casado.


Paciente veio ao meu consultório querendo entender o por quê desse triângulo amoroso, e porque não conseguia se definir entre sua esposa e a amante.
Com a amante se dava muito bem, pois havia uma afinidade entre os dois. Já com a esposa, havia pensado em se separar dela, mas algo o prendia a ela. Com isso, ficava num impasse, pois não conseguia sair desse triângulo amoroso.
Além desse problema afetivo, tinha muito medo de tomar decisões em outras áreas de sua vida. Colocava sempre obstáculos do tipo “e se...”, mesmo tendo tudo para dar certo. Era realmente muito pessimista, negativista.

Queria saber também por que não conseguia se dar bem com o irmão, pois as brigas eram constantes, a ponto de ter rompido definitivamente o relacionamento com ele. Por fim, queria saber qual era a sua missão de vida.
Na primeira sessão de regressão, o paciente me relatou: “Vejo um ser espiritual... Ele se parece com uma caveira, usa um capuz marrom”. (pausa).

- Pede para ele se identificar - peço ao paciente.
“Ele fala que eu sei”.

- Pergunte a esse ser qual o motivo de sua presença no consultório? - Peço novamente ao paciente.
“Ele não quer responder. (pausa). Agora estou vendo outro ser espiritual... É uma mulher, usa um capuz branco. Ela tirou o capuz, é muito bonita. (pausa).
Diz que é a minha mentora espiritual, que estivemos juntos em outras vidas, e que sempre fomos muito ligados. Diz também que sempre me acompanhou, e continua me acompanhando na vida presente. Fala que eu saberei quem ela é realmente.
Afirma que aquele ser cadavérico que apareceu no início dessa sessão é um desafeto meu de uma vida passada. Diz que ele tem ódio de mim porque acabei com o exército dele. Eu era muito rico, próspero e um estrategista militar. Afirma também que eu era uma pessoa poderosa não só nessa vida passada, mas em outras vidas, e com isso, criei muitos inimigos, mas diz que sabe do meu coração.
Fala que entre esses inimigos, alguns estão encarnados comigo nessa vida terrena, mas outros estão nas trevas. Pede para ter calma, e sempre me ligar a Deus e a Jesus, que vai dar tudo certo”.


E-mail: j.alternativo@uol.com.br - links parceiros