site stats
Autoconhecimento Almas Gêmeas AutoAjuda Astrologia Bem-Estar Corpo e Mente Espiritualidade Oráculos Psicologia Vidas Passadas

Substituição: sai concessões e entra respeito  

Substituição: sai concessões e entra respeito


:: Flávio Gikovate ::

Não acredito que estejamos dando a importância devida para o que está acontecendo no íntimo da nossa vida conjugal e nas relações amorosas de um modo geral. Estamos vivendo uma revolução da maior importância, e que pode ser definida assim: se antes a vida em comum era fundada na boa capacidade das pessoas de fazer concessões, de abrir mão dos seus desejos e interesses em favor do outro e visando a harmonia a qualquer custo, hoje em dia nossa capacidade para conceder diminuiu muito e a disposição que temos é para que respeitem nossos desejos, interesses e nosso modo de encaminhar as coisas da vida.

Pode parecer pouca coisa, mas na realidade trata-se de uma alteração fundamental, porque se funda em uma mudança na maneira como estamos pensando e vivenciando o fenômeno amoroso. A verdade é que o individualismo está crescendo junto com o avanço tecnológico que nos trouxe a possibilidade de nos ocuparmos com a televisão, o computador, o som individual que podemos ouvir em qualquer lugar... Podemos nos entreter cada vez melhor sem companhia, de modo que tendemos a nos tornar mais seletivos quanto ao convívio. Isto é um avanço, uma coisa boa. O individualismo não é egoísmo, como muitos pensam. O egoísta não é um individualista porque ele precisa dos outros para servi-lo! É a favor da vida em grupo porque tentará tirar vantagens no convívio com as pessoas.

A idéia que reinou durante os tempos do romantismo - que está com os seus dias contados - era a de que nós somos metades, criaturas que só se completavam com o encontro da outra parte, que era o seu complemento. Esta outra metade poderia ser o que nos faltava: a tampa da panela ou a metade da laranja que nos arredondava. Metades diferentes tendiam a se atrair mais intensamente, de modo que a grande maioria dos casamentos se estabelecia - e ainda hoje as coisas estão assim, só que em rápido processo de mudança - entre pessoas bastante diferentes. É claro que a vida em comum padecia de grandes desacertos e desencontros, de modo que só poderia sobreviver graças à grande capacidade de fazer concessão das pessoas envolvidas.

É bom dizer também que, nesses casais, quase sempre um fazia concessões e o outro era exigente e imprimia seu ritmo à vida em comum. Ou seja, sempre se louvou a capacidade de conceder das pessoas, mas quem concedia mesmo era apenas um dos membros do casal. O outro, o mais egoísta, sempre cuidou do seu interesse acima dos outros membros da família. O generoso concedia e o egoísta levava vantagem. O que concedia se sentia superior, melhor, mais elevado, e o egoísta se achava o mais esperto porque obtinha benefícios mais facilmente. A verdade é que, de uma forma ou de outra, ambos se tornavam extremamente interdependentes. Não há egoísta sem que exista o generoso e não há generosidade que se possa exercer se não existir o egoísmo que receba os favores. A dependência recíproca acontecia porque as pessoas não conseguiam se imaginar sozinhas. A idéia reinante era a de que "é impossível ser feliz sozinho". Metades não se sustentam a não ser ao lado de outras metades.

Graças ao avanço tecnológico que nos tem feito mais competentes para ficar sozinhos, aos poucos temos descoberto que não somos metades e sim inteiros! Somos inteiros que nos sentimos incompletos, com um vazio na "boca do estômago", mas somos mais conscientes de que somos unidade e não uma fração. A relação amorosa que está nascendo é, portanto, diferente daquela do romantismo do século 19 e início do século 20. Mudam as regras do relacionamento e isto não quer dizer que o amor esteja em baixa. Ao contrário, está mudando e se adaptando aos novos tempos. Inteiros que se aproximam formam pares mais instáveis, pares que podem se separar.

Estamos diante de mais um importante fator de desencontro entre os sexos. Outra vez nos deparamos com o complicado problema que consiste em não sabermos lidar com nossas diferenças. Elas, quando mal-entendidas, são fator de ofensa, humilhação e rejeição. Mulheres podem ter se sentido violentadas porque seus homens as quiseram possuir mesmo à revelia delas, enquanto que homens se sentiram rejeitados porque não encontraram mulheres disponíveis justamente "naquele dia". É importante e urgente que consigamos acumular mais informações a respeito de como varia a disponibilidade sexual da mulher durante o ciclo menstrual.

Não creio que as mulheres se sintam interessadas pelas trocas de carícias eróticas durante todos os dias do mês, de modo que não creio que vivam num cio permanente. Aliás, acho inconveniente e inoportuno o uso do termo "cio" para nos referirmos ao que acontece na nossa espécie. O fato de provocarem os homens de modo permanente não pode ser confundido com o que acontece na intimidade delas. É claro que, sendo racionais, podemos muito mais do que manda nossa biologia. Assim, uma mulher poderá ter relações sexuais sempre, mesmo naqueles períodos que não coincidem com sua disponibilidade maior. Isto acontecerá quando o desejo de agradar o parceiro for maior do que a resistência biológica que porventura encontre. Além do mais, é provável que existam grandes diferenças individuais tanto na intensidade do desejo sexual como na interferência do ciclo hormonal sobre o desejo.




 
 
Flávio Gikovate é médico psicoterapeuta, pioneiro da terapia sexual no Brasil.
Conheça o Instituto de Psicoterapia de São Paulo.
Confira o programa "No Divã do Gikovate" que vai ao ar todos os domingos das 21h às 22h na Rádio CBN (Brasil), respondendo questões formuladas pelo telefone e por e-mail gikovate@cbn.com.br
Email: instituto@flaviogikovate.com.br
 
 

Veja também mais artigos em Psicologia

Os nódulos lunares
Como amar incondicionalmente?
A numerologia ajuda na escolha do nome de seu Bebê
Sobre Filhos Adotivos
Mudança e tolerância
 
 

Deixe sua opinião sobre este artigo

Gostou?
Imprima este Artigo Envie para um Amigo Outros Artigos desse Autor Adicionar aos Favoritos.
© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.
 
 


Energias para Hoje
ernegia
I-Ching:
02 – KUN - O RECEPTIVO
Aceite, aprecie e desfrute do que lhe for oferecido hoje. Seja flexível e saiba ouvir e tolerar as pessoas e situações.


ernegia
Runas: Mannaz
Compartilhe, mantenha-se receptivo


2
Numerologia: Diplomacia
É um dia para assimilar as experiências do passado dando tempo para que cresçam lentamente, Use a diplomacia, seja paciente, discreto e receptivo às idéias alheias.


Louise Hay fala sobre problemas com Alcoolismo
Sensação de futilidade, culpa, inadequação. Auto-rejeição. "de que adianta?". Clique e veja mais!






 
NOSSO TRABALHO
Quem Somos
Nossa Missão
Cadastro Gratuito
Anuncie no Site
Arquivo
Depoimentos
Colunistas
CATEGORIAS
Almas Gêmeas
Astrologia
Autoajuda

Autoconhecimento

Bem-Estar
Corpo e Mente
Espiritualidade
Oráculos
Psicologia
Vidas Passadas
LOJA E SERVIÇOS
Clube Profissional
Clube Semestral
Holos
Atendimentos Online
Cursos Online
Eventos
Serviços
Escolas Parceiras
SOBRE O CONTEUDO
Artigos publicados
Horóscopo Semanal
Blog Diário
Interativos e Oráculos
 
MUNDO
STUM World
Somos Todos Uno
Siamo Tutti Uno
MAIS
RSS
Tablet
Widgets
Celular 3G
Mapa do Site
Edições anteriores
Músicas
Ajuda
Descadastrar-se
Copyright 2000-2014 Somos Todos UM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS