site stats
Categorias: Almas Gêmeas Astrologia Corpo e Mente Espiritualidade Oráculos Psicologia Vidas Passadas

Imprimir
Os benefícios da Psicoterapia  
Os benefícios da Psicoterapia

:: Maria Aparecida Diniz Bressani ::

Para falar sobre psicoterapia gostaria de, como uma boa psicóloga junguiana que sou, usar de um mito grego para deixar o mais claro possível os seus benefícios.
Um mito consegue, com sua narrativa simbólica, esclarecer uma idéia de forma muito mais abrangente que muitos conceitos o conseguiriam.
Trata-se do mito do Labirinto do Minotauro.

Em Creta, uma ilha da Grécia, havia um Labirinto, que era um palácio. Lá estava preso, em seu centro, um ser monstruoso, que era metade homem, metade touro, e que só comia carne humana, chamado Minotauro.
Então, de nove em nove anos seu rei lançava sete moças e sete rapazes no Labirinto para serem devorados. Eram moças e rapazes de Atenas, que ao perderem uma guerra para Creta ficaram com esse tributo.
O rei e o povo de Atenas teriam que, então, pela terceira vez, mandar seus jovens para serem devorados pelo Minotauro e já estavam indignados com essa dívida que lhes parecia eterna e injusta.
Desta vez, foram Teseu, príncipe e herói de Atenas, e mais outros treze jovens como pagamento deste tributo cruel para Creta. Teseu ofereceu-se para ir, pois tinha uma missão: matar o monstro.
Chegando lá, Teseu conheceu Ariadne, filha do rei de Creta, que se apaixona por ele. É Ariadne que o instrui como entrar e sai ileso do Labirinto.
Ele iria até o centro do Labirinto segurando a ponta de um fio, mataria o monstro devorador e retornaria pelo mesmo caminho, seguindo o fio desenrolado, até onde estaria ela, Ariadne, na outra ponta, do lado de fora.
E foi exatamente assim que aconteceu: Teseu entrou no Labirinto com seus companheiros, matou o monstro e retornou para Ariadne, com quem fugiu de Creta.

Através desta narrativa podemos perceber alguns elementos que nos ajudam a entender a psique humana e como a psicoterapia pode ser benéfica e libertadora.
O próprio Labirinto pode ser usado como representando a psique humana. Nosso cérebro até fisicamente parece um labirinto; mas, muito mais o é nossa psique.
Levando-se em conta que há uma parte da nossa mente que nos é inconsciente, onde há tantas curvas e cantos escuros e inalcançáveis, dos quais nem temos idéia que existam dentro de nós, podemos imaginar, então, nosso inconsciente como um labirinto.
É parte da natureza humana temer aquilo que não conhece. Portanto, tememos o nosso próprio inconsciente. Acreditamos que lá habitam monstros.
Mas é claro que nem sequer admitimos isto para nós mesmos, por isso, vemo-los do lado de fora através das nossas simpatias e antipatias (para dizer o mínimo) com relação aos outros, que a psicologia chamou de projeção.

Na psicoterapia observamos nossas projeções como conteúdos próprios.
Teseu é o Ego, nosso herói. É ele quem vai, juntamente com outras partes suas, combater o monstro devorador.
Ele vai, porque seu reino já não agüenta mais perder tanta gente jovem - energia consumida para nada - mesmo que seja para pagar um tributo.
Seu reino perdeu a guerra e deve pagar uma indenização ao vencedor, que tem um monstro voraz de carne fresca humana.
O mito não conta se Teseu tinha alguma estratégia ou se simplesmente foi com a cara e a coragem. Mas, de qualquer forma, Teseu resolveu ir.
É assim que acontece: a pessoa (ego) tem que querer fazer psicoterapia. É o seu querer que o move. Sente-se frustrado com as realizações que não acontecem, sente-se fraco e sem energia para a vida e então precisa resolver isso. Vai assim deliberadamente resolver o problema.
Então, o primeiro passo em direção à psicoterapia é o querer resolver seus problemas. O segundo, é acreditar, a priori, que vai conseguir. Precisa confiar e pedir ajuda.

Teseu e seus compatriotas seguem, munidos de um fio que lhes serve de salvo-conduto para dentro do Labirinto e na outra ponta, do lado de fora, está Ariadne.
É Ariadne que fornece condições para que ele seja bem sucedido. Ela oferece ajuda.
Ariadne, aqui, representa o psicoterapeuta que fica do lado de fora – não está envolvido emocionalmente com seu paciente nem com suas questões e pode ajudá-lo a entrar em seu inconsciente e enfrentar seus monstros, pois tem instrumentos específicos para tanto.
Para que um trabalho de psicoterapia dê bons resultados e atinja seu objetivo, precisa de algo fundamental: a empatia e confiança entre paciente e psicoterapeuta. Teseu acreditou que Ariadne estava sendo sincera, que realmente o ajudaria e estaria lá, do lado de fora, a esperá-lo.

Como confiar numa pessoa que não conhecemos para abrir o que há de mais intimo dentro de nós e até de coisas que nem nós sabemos?
Objetivamente, para começar uma boa indicação é, ao estar diante do profissional, procurar sentir dentro de si se dá para confiar naquela pessoa. Confiança na ética do psicoterapeuta é a base para a relação terapêutica fluir.
Ariadne também simboliza o feminino – tanto do paciente como do psicoterapeuta (seja homem ou mulher).
O ego - uma instância masculina da psique humana - precisa do feminino para que, juntos, unidos, possam resolver as questões pendentes do paciente.
É a objetividade do Ego em querer resolver-se mais a força da sensibilidade do feminino que faz o processo acontecer.
Então, o Ego entra em seu inconsciente e vai corajosamente enfrentar seu monstro que está no centro, mata-o e sai livre, auxiliado pelo psicoterapeuta.

Mas, o próprio Jung nos disse que o Self é o Centro da psique.
E que o Self seria a nossa essência, fonte de luz e vida...
Como pode ser entendido como um monstro devorador?
Quando o Ego, irrealisticamente, acha-se o dono e o senhor do seu castelo (de sua vida), pensar que possa haver uma outra entidade mais poderosa que ele pode ser sim muito assustador.

O Self, para Jung, é o Todo e também o Centro Ordenador da psique humana; já nascemos com ele. E, logo que nascemos, o Ego começa a formar-se através da nossa interação com o meio ambiente, enquanto ainda somos um bebezinho.
Na visão da psicologia junguiana, o Ego nasceu do Self e é, portanto, apenas sua expressão. Deve, por isso, seguir suas orientações para melhor expressá-lo. E quando não atendemos o Self somos penalizados com a perda de energia para a vida.
Num trabalho psicoterápico junguiano, a meta é a pessoa abrir-se para sua essência. Quando realmente consegue chegar até o centro, conectar-se mais conscientemente com seu Self, aí acontece o processo de Individuação.
Individuação, para Jung, é a pessoa viver sua individualidade de uma forma mais pura e fiel à sua essência. Portanto, Ego e Self conectados numa sintonia fina. Aí reside o poder pessoal.
Quando Teseu mata o monstro e sai do Labirinto, para nossa leitura entendemos que houve uma transformação; porque morte é símbolo de transformação. Isto significa que a pessoa (Ego) conseguiu abrir-se para sua essência, e não tem mais do que defender-se e, aí, acontece a transformação (morte) do antigo Ego (cheio de medos e inseguranças) e nasce um novo Ego (mais cheio de autoconfiança e luz). Afinal, toda morte gera uma nova vida. A saída de Teseu do Labirinto representa seu renascimento como o herói vencedor.

O que o mito não conta que, na verdade, não há apenas um único monstro habitando nosso inconsciente (aquele era o maior e o mais poderoso e assustador); mas, na psicologia junguiana aprendemos que há outros monstros, que Jung chamou de Complexos, que também sugam nossa energia para a vida.
Os complexos geram vários sentimentos e comportamentos automáticos e inconscientes, como por exemplo, o de superioridade e o de inferioridade. Eles escondem-se naqueles cantos escuros da psique (labirinto) e antes de concluir o trabalho maior que é “matar” o grande monstro lá no centro, há o trabalho de também matar esses outros monstros. Por isso o Ego é o nosso “herói”; mas, para se tornar o nosso “herói” precisa, antes, matar muitos monstros.
Faz parte do processo de Individuação “matar” todos os pequenos monstros escondidos em nossa psique e que, muitas vezes, são também extremamente poderosos e vorazes, tanto quanto um Minotauro.

As sessões de psicoterapia servem exatamente para isso: matar monstros projetados por todo canto da vida. Desta forma, resgatamos a energia para a vida. Liberamos a energia que usamos inconscientemente para tentar deixar presos sentimentos indesejáveis e desejos inconfessáveis, até para nós mesmos.
Conforme vamos encarando cada um dos nossos monstros percebemos que eles não são tão feios e nem tão monstruosos assim. Vamos nos fortalecendo. Percebemos que somos mais fortes do que pensávamos; que somos capazes de suportar algumas frustrações que a vida se nos apresenta. Descobrimos que a nossa vida depende de nós. Nós somos os heróis de nossas vidas!
Resgatamos, assim, o bem mais precioso que está guardado dentro de nós: a auto-estima. E deste modo tomamos posse de nossa vida. Aprendemos a usar nosso poder pessoal.

Quem já fez psicoterapia com um bom psicoterapeuta sabe de seus benefícios, pois o fato de conseguir, de forma segura e amorosa, livrar-se dos “monstros” que habitavam o seu inconsciente e que o atormentavam e ao mesmo tempo abrir-se para a sua “fonte de vida e de luz”, o Self dentro de si, é absolutamente libertador.


Gostou?
Imprima este Artigo Envie para um Amigo Outros Artigos desse Autor Adicionar aos Favoritos.



Maria Aparecida Diniz Bressani é psicóloga e psicoterapeuta Junguiana,
especializada em atendimento individual de jovens e adultos,
em seu consultório em São Paulo.

Email: mariahbressani@yahoo.com.br

+ Artigos deste autor

A Esperança
A Esperança
Autoconhecimento, Meditação e Qualidade de Vida - Parte 2
Autoconhecimento, Meditação e Qualidade de Vida - Parte 2
© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.

 

+ Lidos na Semana anterior
1. Aprender a esperar
2. O ingresso do Sol em Touro - A Grande Cruz
3. Como aceitar as mudanças impostas pelo destino?
4. Vende-se grande amor. Peça já o seu!
5. Chico Xavier e a França
6. Ame e viva como se fosse um detetive!
7. Uma prece de agradecimento às consciências elevadas
8. Os sinais da existência

Atendimentos On-Line
Consulta de Tarô via Skype
Consulta de Tarô via Skype
Consulta de Tarô via e-mail
Consulta de Tarô via e-mail
  Veja Mais

 
 
NOSSO TRABALHO
Quem Somos
Nossa Missão
Cadastro Gratuito
Anuncie no Site
Arquivo
Depoimentos
Colunistas
CATEGORIAS
Almas Gêmeas
Astrologia
Corpo e Mente
Espiritualidade
Oráculos
Psicologia
Vidas Passadas
LOJA E SERVIÇOS
Clube Profissional
Clube Semestral
Holos
Atendimentos Online
Cursos Online
Eventos
Serviços
Escolas Parceiras
SOBRE O CONTEUDO
Artigos publicados
Horóscopo Semanal
Blog Diário
Interativos e Oráculos
 
MUNDO
STUM World
Somos Todos Uno
Siamo Tutti Uno
MAIS
RSS
Tablet
Widgets
Celular 3G
Mapa do Site
Edições anteriores
Músicas
Ajuda
Descadastrar-se
Copyright 2000-2014 SOMOS TODOS UM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS