Somos Todos UM - HOME
O seu Portal de Autoconhecimento e Espiritualidade



Home > Autoconhecimento
Dança do Ventre: História e Origem - III

por Simone Oh Coel Osab


Primordialmente, na época do matriarcado, esta dança tinha no corpo o local da expressão divina. Para os antigos povos politeístas, a Deusa era multifacetada de modo que se manifestava através das "faces da eternidade", ou seja, mitologicamente. Como os deuses eram a personificação dos fenômenos naturais, uma vez que não se sabia como explicá-los, a relação com a Natureza era forte e (al)química.

O conhecimento oral nos informa que no Egito, passou dos templos para os palácios dos faraós, tendo provavelmente se popularizado entre as ruas e os mercados da época. As sacerdotisas da época ensinariam às mulheres do povo os movimentos ondulatórios da dança sagrada para facilitar o parto. Mas outras fontes contradizem aparentemente esta informação quando afirmam que a Dança do Ventre chegou ao Egito através das Ghawazee, ciganas andarilhas originárias da Índia, sendo que anteriormente o que existia eram as formas da dança religiosa, cujas inscrições nas paredes das antigas construções egípcias falam de festividades em que se executavam movimentos acrobáticos. Mas é igualmente possível que num período anterior ao início do governo faraônico existissem ritos de fertilidade na região (este culto é confirmado pela história em quase todas as sociedades agrárias), que também estivessem ligados à realização de movimentos semelhantes aos da dança - o que pode nos levar à ideia de que alguns movimentos dela talvez já existissem e com a chegada as Ghawazee teriam sido incorporados a uma nova forma, que se estruturou a partir dos novos dados e se regionalizou em diversas partes do país.

Diversos artistas e exploradores como o francês Louis Cassas armazenaram uma série de descrições sobre o Egito e as dançarinas locais. Cassas foi um dos primeiros estrangeiros que chegou a desenhar as Ghawazee.

De acordo com as manifestações políticas e religiosas de épocas diversas, a dança era reprimida ou cultuada e, embora tenha alcançado grande prestígio no período faraônico, o Islamismo, o Cristianismo e conquistadores como Napoleão Bonaparte reprimiram-na. Quando Bonaparte invade o Egito, em maio de 1798, a situação se complica para as dançarinas, porém, com a evasão de muitas, o Ocidente acaba sendo beneficiado. "Uma grosseira e indecente expressão de intoxicação sensual", é a descrição de um dos generais de Napoleão se referindo à Dança do Ventre, durante a ocupação francesa no Cairo.

Neste período, os invasores estrangeiros encontraram duas classes (as mais conhecidas) de dançarinas: haviam as Awalim (plural de Alma, Almeh ou Almah), que eram consideradas muito cultas e inteligentes para a época, apresentando-se somente para audiências femininas, cortesãs de luxo que faziam parte da elite dominante e que fugiram do Cairo assim que os estrangeiros chegaram; e as demais que eram bailarinas populares, as Ghawazee (plural de Ghazeya), que também se prostituíam e entretinham os soldados.

As Ghawazee começaram a ser consideradas como uma peste que contaminava tudo e que podia ser encontrada em qualquer ponto da cidade. Na realidade, elas descobriram, nos estrangeiros, os clientes em potencial. Napoleão e seus generais temendo que isso ultrapassasse os limites do normal e atrapalhasse o descanso de seus soldados, proibiram-nas de se aproximarem das barracas do exército (Cenci). Como muitas não respeitaram tais medidas, outras foram tomadas e, como conseqüência, quatrocentas Ghawazee foram decapitadas.

As Awalim eram instruídas - poetizas, instrumentistas, compositoras e cantoras - além de dominarem muito bem as técnicas de improvisação e regras de poesia; não quiseram nenhum tipo de negócio com os invasores.

Já em 1834, o governador Mohamed Ali proibiu as performances femininas no Cairo em razão de pressões religiosas que coibiram a manifestação das Ghawazee. Tal atitude atraiu uma série de imitadoras e também imitadores. Isso mesmo! Homens imitando as Ghawazee. Eram conhecidos como Khawals, vindos da Turquia, e embora causassem problemas devido ao fato de não serem mulheres de verdade (o público se irritava quando percebia que eram homens), suas apresentações eram bem mais humoradas e maliciosas do que as apresentações Ghawazee (Cenci). Logo em 1866, a proibição havia sido suspensa e as Ghawazee retornaram ao Cairo, mas tinham que pagar uma taxa a um oficial do governo por suas apresentações.

Segundo Faiza Hassam (2000), em seu artigo para o jornal árabe eletrônico Ahram, acessado em 17/03/02, no endereço link, a dançarina Foufa El-Fransawi, que iniciou sua carreira na Reda Troupe, comenta que "os estrangeiros não entenderam o termo Almah; ele simplesmente significa professora e é usado para designar dançarinas mais velhas que treinam e gerenciam as carreiras das dançarinas mais jovens, primeiro por uma gratificação, e depois por uma comissão quando elas obtém contratos." Ela também informa que as dançarinas do passado vêm das classes baixas da sociedade. Isso significa que as mais instruídas ensinavam as menos instruídas e acrescenta "as meninas tradicionalmente não são ensinadas a ler, escrever e compor poesias, então, as dançarinas aprenderam entre si mesmas, a acompanhar suas danças com simples instrumentos", assim como as canções e lamentos improvisados conhecidos por mawwal, passados de geração a geração, que as crianças aprendem em casa. Ela diz: "Se os estrangeiros falavam a língua imperfeitamente, como eles poderiam saber se se tratava de uma improvisação ou de uma canção folclórica cujas palavras eram lembradas pela população nativa?" Isso mostra a confusão que os viajantes estrangeiros faziam sobre as terminologias referentes à cultura e a ignorância deles sobre termos utilizados na época para designar os vários tipos de dançarinas - o que significa que os termos por nós conhecidos podem não ser os mais adequados.

Faiza Hassam informa que em 1882, no início da ocupação britânica, já havia clubes noturnos completos, com teatros, restaurantes e music halls, oferecendo os mais diversos tipos de entretenimento. Neste período a rua que levava o nome de Mohamed Ali, ironicamente, se tornou notória pelas suas atividades artísticas.

O cinema egípcio começa a ser rodado em 1920 e tem como cenário esses night clubs, com cenas de música e dança. Hollywood exerceu grande influência com a fantasia ocidental sobre o Oriente, incentivando algumas mudanças de costumes nas dançarinas árabes.

Mas esta é uma história resumida. Algumas formas antigas da Dança do Ventre - a Dança Ghawazee e a Dança Baladi - serão estudadas nos próximos artigos.

Bibliografia:
Cenci, Cláudia. História da Dança do Ventre. In: Dança do Ventre [monografia em formato eletrônico CD ROM].
Hassam, Faiza. Beauty and the beat. Ahram. [jornal eletrônico] 2000; 1(1). Disponível em: URL: link [2002 Mar 17]
Penna, Lucy. Dance e Recrie o Mundo. São Paulo: Ed. Summus, 1997.
Portinari, Maribel. História da Dança. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1989.

Texto revisado por Cris

Publicado em 06/03/2006

Compartilhe

Autor: Simone Oh Coel Osab   
Visite o Site do autor e leia mais artigos..   

Deixe sua opinião sobre este artigo

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.


 
Energias para Hoje

energia
I-Ching: 54 - KUEI MEI – A JOVEM QUE SE CASA
Evite qualquer decisão ditada pela paixão.


energia
Runas: Tiwaz
Remoção de obstáculos, vitória através de lutas.


24
Numerologia: Equilíbrio
Procure estabelecer um ritmo harmônico em sua vida, evite precipitações e correrias e arrume tempo para dedicar-se aos que ama dialogue, faça trocas pratique a compreensão.
 
 
Horóscopo da Semana
Áries Áries Libra Libra
Touro Touro Escorpião Escorpião
Gêmeos Gêmeos Sagitário Sagitário
Câncer Câncer Capricórnio Capricórnio
Leão Leão Aquário Aquário
Virgem Virgem Peixes Peixes
 

+ Lidos da Semana anterior
1. Qual o significado dos 40 dias da Quaresma?
2. Você sabe como funciona a Lei do Carma?
3. Como fazer um homem ficar obcecado por você...
4. O apego aos pensamentos
5. Pode ser amor, mesmo quando parece que não!
6. O Limão na Gravidez e Amamentação
7. Limão para tratar o Sistema Digestivo
8. Relato de um amigo que se foi

Faça parte do PDA

 
Voltar ao Topo
Siga-nos
Facebook Twitter Instagram Gogole Plus Youtube
Somos Todos Um é um parceiro do iG Delas
© Copyright 2000 - 2017 Somos Todos UM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - Política de Privacidade