Artigo de Flávio Bastos: Você é uma pessoa verdadeira? - | Artigos do Clube
 

Você é uma pessoa verdadeira?

Autor Flávio Bastos - flavio01bastos@gmail.com


Os fatores equilíbrio ou, ao contrário, o desequilíbrio, estão íntimamente inseridos na vida do indivíduo, a começar pela ótica da psicologia e a terminar pela recente conceituação de saúde espiritual. No entanto, o que acontece com a maioria das pessoas é a sensação de estarem, permanentemente, tentando caminhar por uma corda bamba invisível.

Para o psiquiatra Carl Gustav Jung, toda a criatura traz uma aptidão para a autotransformação, o que denominou "individuação" e definiu-a como um processo de desenvolvimento pessoal, e que a criatura se torna uma personalidade unificada, ou seja, um indivíduo, um ser humano não fragmentado mas integrado. E conclui que a individuação está inteiramente voltada para o equilíbrio entre o ego (centro da consciência) e o self (centro da psique) e para o aprimoramento e interação constante e criativa entre eles.

Estamos a todo momento, trocando energia com as pessoas e com os ambientes que nos rodeiam. O equilíbrio - entenda-se saúde espiritual - de cada um, é o único antídoto a impedir que as vibrações negativas, alheias a nossa organização espiritual, penetrem no nosso íntimo. Saber conviver sem sintonizar com a energia de terceiros é postura que somente os mestres de si mesmos conseguem plasmar na difícil coexistência com os demais. Ao contrário, se a toda hora temos a sensibilidade pessoal invadida por problemas e influências de outras pessoas e/ou situações, ficamos sempre a mercê dos "outros nos deixarem" ficar em paz. Assim, a paz íntima dependerá dos outros, jamais de nós próprios e o nosso controle será sempre refém do descontrole alheio. O segredo do equilíbrio espiritual está na melhoria da sintonia e na educação dos nossos padrões vibratórios.

Em uma conferência realizada em Buenos Aires, perguntaram à conferencista ISHA, autora do livro "La revolución de la consciencia - Una nueva visión de vida", qual era a diferença entre o ego e o ser espiritual, já que Freud referia-se ao ego como o ser físico, emocional e mental da pessoa, ou aquilo que os psicólogos chamam "o eu".

Com toda a calma e segurança, ISHA respondeu o seguinte: "Imagina por um momento que és uma maçã com uma preciosa casca brilhante. Lustras a casca a cada dia e parece bonita à vista de todo mundo. Essa maça é como nossas personalidades. Nossas personalidades estão cheias de máscaras. Cheias de conceitos ideais de como teremos de comportar-nos e o que teremos de fazer. Estes conceitos ideais nos dizem que deveríamos ser pessoas boas, que deveríamos ser exitosos na vida ou que deveríamos ser pais amorosos. Nos cercam de um bilhão de presunções de como teríamos que ser.

E caminhamos durante toda nossa vida pretendendo ser isso. Continuamos polindo a maçã por fora, mas por dentro, no centro, na essência de quem somos, há um verme muito grande. E esse verme tem sido criado pela raiva, depressão, autoabandono, perda do espírito e perda da verdade de quem somos.

Para que a parte externa da maçã seja realmente brilhante - seja realmente perfeita e luminosa - teremos que ir dentro e remover o que não é real. Esse verme grande e feio tem estado andando ao redor de nossa consciência, bloqueando a luz de amor incondicional em nossas raízes, em nosso centro.

Assim que este sistema vai lá dentro e começa a desintegrar esse verme, começa a tirar pedaço por pedaço, e à medida que os pedaços vão saindo, começamos a ver as mentiras. Começamos a ver as máscaras, começamos a ver a falta da verdade. Começamos a escutar as vozes que nos mantém limitados. Na verdade começamos a ficar conscientes de nós mesmos. E, ao mesmo tempo, nos fizemos conscientes do que somos.

A essência, o centro do que somos é a unidade que é ilimitada, o amor que nunca falta. E o que não somos também se apresenta muito claro. Então, nos permitimos ser isso e ver através disso. Nos permitimos ser esses pedaços do verme que estão acomodados dentro desta linda maçã e os expulsamos. Expulsamos cada pedaço que não serve.

E logo o centro, o amor, que havia sido sufocado, novamente começa a brilhar. E o interior da maçã estará limpa e tudo se completa. Então, a superfície adquire um novo brilho, mais luminoso - que é a verdade, que é o natural -, porque abraçou cada aspecto de si mesma. Abraçou cada uma das partes que não queria ver. É a unidade da união...

Sempre digo que para poder ser divino, temos que estar dispostos a ser cem por cento humanos. Temos que estar dispostos a abraçar cada aspecto que julgamos de nós mesmos.
Necessitamos abraçar o medo, a raiva. Necessitamos abraçar o egoísmo e cada uma das partes que viemos escondendo debaixo do falso brilho da casca da maçã, para podermos chegar a ser absolutamente completos.

Uma pessoa iluminada não é uma "boa pessoa" só para poder receber aprovação. Uma pessoa iluminada não é uma pessoa arrogante ou "dona de si mesmo" que mascara de uma forma ou de outra uma infinidade de coisas que percebemos não serem verdadeiras.

Uma pessoa iluminada é somente uma criança inocente que vive a cada momento cem por cento dando amor a seu Ser e a todos os demais, sabendo que também são o Ser. Este é o "eu" da união, este é o "eu" da Unidade, este é o "eu" da iluminação.

O eu da personalidade, o ego, é apenas um verme gordo que tem estado arrodeando por aí, comendo o interior da maçã e impedindo que a Luz emane desde o centro. No entanto, é muito importante que amemos a esse verme, porque, inclusive, ele é a Unidade".

Somente conseguiremos a paz interior, o verdadeiro equilíbrio do ser visto na sua totalidade e essência, quando nos libertarmos das amarras que nos prendem ao "falso eu". Quando nos libertamos da exagerada necessidade de auto-afirmação do ego, ou seja, quando não sentirmos mais a necessidade de julgar ou de impor, acima de tudo, a nossa vontade ou as nossas idéias.


"Quando uma estrela brilha intensamente provoca raios de luz no coração da humanidade. Mas quando um milhão de estrelas brilham são suficientes para iluminar toda a escuridão e despertar toda a criação".
*ISHA


Psicanalista Clínico de Orientação Reencarnacionista.
www.flaviobastos.com


Obrigado por votar
Gostou deste Artigo?   Sim   Não   

Autor: Flávio Bastos   
Flavio Bastos é criador intuitivo da Psicoterapia Interdimensional (PI) e psicanalista clínico. Outros cursos: Terapia Regressiva Evolutiva, Psicoterapia Reencarnacionista, Terapia Floral, Psicoterapia Holística, Parapsicologia, Capacitação em Dependência Química, Hipnose e Auto-hipnose e Dimensão Espiritual na Psicologia e Psicoterapia.
E-mail: flavio01bastos@gmail.com
Visite o Site do autor e leia mais artigos.

Publicado em 13/05/2007
 

Deixe sua opinião sobre este artigo



Acessar seu Clube STUM
Faça
seu login


© Copyright 2000-2017 SOMOS TODOS UM - O conteúdo desta página é de exclusiva responsabilidade do Participante do Clube. O Stum não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços oferecidos pelos associados do Clube, conforme termo de uso STUM.