Esqueci a senha
 

 
Bookmark and Share

PÓ DE PIRLIMPIMPIM

por Christina Nunes - cfqsda@yahoo.com.br

Com todas as coisas bárbaras e chocantes que vêm acontecendo nos últimos tempos, de repente acordou-me a necessidade imperiosa de lembrar-me do uso de pó de pirlimpimpim para bem tocar os meus dias.

Vocês se lembram do que é? Todo mundo que nos idos da infância teve o privilégio de crescer embalado pelos contos de fadas de Walt Disney e de Monteiro Lobato conhece o pó. A Fada Sininho, do clássico da literatura infantil Peter Pan de Walt Disney, e a espevitada Emília das obras do nosso querido Monteiro Lobato, faziam menção a ele.

É um pó mágico que faz voar. Joga-se um pouco de pó de Pirlimpimpim e pronto - viajamos para qualquer canto do mundo ou fora do mundo. Só que a Fada Sininho, por exemplo, nos ensina que o tal pó só funciona se tivermos pensamentos felizes!

Sim. Pensamentos felizes! Lembro de uma história da fada Sininho, em quadrinhos, na qual uma bruxa malvada e nariguda, querendo dar uma de esperta, rouba o pó. Só que ter pensamentos felizes não é certamente especialidade de bruxa e ela desconhecia este requisito imperativo para fazer o pó funcionar. E foi assim que se estrepou! Porque não podia, obviamente, ter pensamentos felizes, e não fosse Sininho ensinar-lhe, às pressas, algum no desfecho da história a bruxa se veria em maus lençóis, num instante qualquer em que se despencava das alturas, prestes a se esborrachar lá embaixo!

É de suma importância que se reaprenda o uso do pó de pirlimpimpim nos dias de hoje; mas sem o pó agora que os personagens do reino das fadas na certa se distanciaram dos nossos tempos, possivelmente horrorizados com o que anda sendo feito com os seus companheiros humanos: as crianças! É preciso que se saiba que o pó era mero pretexto: uma ferramenta indutora do efeito que, na verdade, reside é no pensamento feliz!

O que nos faz levitar do chão por vezes amargo das realidades deste mundo é o pensamento feliz ou, por outra, o nos arrancarmos dos pensamentos negativos, da negatividade inerente a fatos ásperos, tétricos, pesados, da dura realidade mundial dos nossos tempos. É, como já referiu Madre Teresa de Calcutá, focar a paz antes de qualquer coisa, se desejamos combater a guerra e a violência, e não combatê-las com mais violência, pois daí estaremos reforçando, dando ainda maior ênfase e relevância àquilo mesmo que queremos destruir! Estaremos engrossando o caldo que queremos diluir. Ou, por outra - e recordando o ensinamento importante revelado no documentário O Segredo - o Universo há de dizer um sonoro SIM! a tudo aquilo que focamos, seja de bom ou de ruim!

Se uma desgraça acontece e ficamos diariamente focando a negatividade, os detalhes, e todos os eventos relacionados à desgraça, falando e maldizendo, é mesmo isto que o Universo nos devolverá, insistente, obedecendo à mera semelhança de freqüências emitidas pelo nosso íntimo. Que desgraça! E o Universo confirma: É! Que desgraça! E o processo entra num círculo vicioso, sofrido, sem fim!

Mas, se perante a ocorrência infeliz, de maior ou de menor magnitude, nos esforçarmos para reagir a ela focalizando a positividade no nosso íntimo, as possíveis soluções, a nossa capacidade de superação, nos imunizando o mais possível dos pensamentos de ódio, de amargura, ou de revide, então, saimos da faixa vibratória pesada. Naturalmente, teremos o espírito mais claro, desanuviado, leve e nos sintonizaremos com as energias de renovação interior, de ação correta e de transcendência das dificuldades. Não ficaremos "chumbados" na dimensão pesada do sofrimento renitente; decolamos através da utilização consciente do nosso potencial de auto-higienização mental e espiritual.

Não queremos dizer com isso que devemos agir e reagir com "sangue de barata" perante as dificuldades, desafios e golpes ríspidos desfechados pelo aprendizado da vida. Queremos significar, apenas, que possuimos os recursos corretos para voarmos para onde quisermos, em cada situação, a nosso favor e no do nosso próximo, favorecendo a nossa saúde física e espiritual e, para nosso próprio proveito, na direção da cura e de dias mais felizes!

Eis o uso do pó de pirlimpimpim - nem sempre fácil, é sabido - mas dependente, apenas, da nossa força de vontade e capacidade de conscientização: então, na hora da discussão doméstica barulhenta e inútil, por conta de trivialidades - pó de pirlimpimpim! Silêncio! Pausa! Interiorização! Controle do impulso para falar atabalhoadamente; do tom da voz! Na hora da tragédia... pó de pirlimpimpim: é justo o sofrimento, são justas as lágrimas... mas, passado o primeiro impacto... silêncio, reflexão... O que nos auxiliará a superar a ocorrência, oriunda de fatalismo ou da cegueira da ignorância alheia? Revide?! Ódio?! O nos abandonarmos à depressão?! Mas isto não solucionaria nada e nos aprisionaria cada vez mais, estanques no próprio tormento do acontecido, que devemos entregar à passagem sábia do tempo, situando-o na malhas do esquecimento daquele passado que já não é mais, que já não nos serve e que não cobra mais utilidade, nem em ações, nem em pensamentos!

Mergulho profundo na paz e na luz interior! No silêncio revelador de todos os segredos e de todas as verdades, sobretudo na serenidade de uma consciência tranqüila!

O Universo funciona dentro de um equilíbrio perfeito e, de todos os acontecimentos, extraimos utilidade e crescimento íntimo! Que não sejamos os responsáveis pela disseminação de mais sofrimento, de mais desassossego, de maior tumulto e infelicidade no mundo!

Lutemos pela paz semeando a paz, através de atitudes, de pensamentos e de iniciativas; não por intermédio do revide cego do olho por olho, na seqüência de acontecimentos pertencentes ao nosso pequeno mundo diário... Os relativos ao "grande mundo", entreguemos aos responsáveis pelas grandes coisas, pelas grandes decisões, rogando ao Criador que sejam abertos à Sua divina Inspiração...

É o modo de agir das Leis da Vida. Lembremos que para cada dia de atribulações contamos com uma nova alvorada para a necessária reformulação de propósitos e de atitudes que devem objetivar sempre melhoria e felicidade e, não, o uso sombrio de fórmulas falidas!

É através do ir e vir das ondas que as areias do mar são, diariamente, renovadas...

Então, usemos, a cada lance da vida, o mágico pó de pirlimpimpim para a revoada rumo a novos e mais luminosos horizontes, rompendo com as amarras tristes da negatividade que, por nossa própria fraqueza e descuido, nos chumba ao chão ilusório das sombras; pois não é este o nosso último destino, situado na Luz que brota eterna e vívida da Existência e do nosso coração!

Com amor,

Lucilla & Caio Fábio Quinto

Texto revisado por Cris


por Christina Nunes   
Médium psicógrafa das obras de autoria do espírito Caio Fábio Quinto, seu mentor espiritual, e de outros autores desencarnados. Dentre elas: O Pretoriano (Ed. Mundo Maior); Sob o Poder da Águia, Amparadores do Invisível, Pacto de Amor Eterno - Espírito Caio F. Quinto; Sonata ao Amor - Espírito Iohan (Lúmen Editorial). Ufóloga e colunista espírita
Lido 9827 vezes, 41 votos positivos e 7 votos negativos.   
E-mail: cfqsda@yahoo.com.br
Visite o Site do autor

Gostou deste Artigo?
Sim Não    
Imprimir
este Artigo
Enviar para
um amigo
Outros Artigos
deste autor


© Copyright 2000-2014 SOMOS TODOS UM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
PRINCIPAL ARTIGOS
LOGAR PRODUTOS
ASSINAR SERVIÇOS
PARTICIPANTES EVENTOS