A  Jornada Individual e a Singularidade de Manifestação  
   

A Jornada Individual e a Singularidade de Manifestação

Autor Mônica Lampe - monicalampe@hotmail.com


Somos expressões únicas da Essência Divina, todos somos centelhas dessa essência, mas com singularidades de manifestação. A Energia que se manifesta em um é diferente em intensidade, cor e vibração da  Energia que se manifesta no outro.
Não adianta querer sentir o que o outro sente, ser o que o outro é, não adianta querer experimentar o que o outro experimenta esse é um desejo que jamais será satisfeito e criará muito sofrimento. O caminho pode ser o mesmo, você pode usar as mesmas técnicas e ferramentas, freqüentar as mesmas escolas iniciáticas que o outro, que a sua experiência vai ser diferente da experiência  do outro, vai ser única. O despertar é individual e intransferível, cada qual a seu tempo de acordo com seu programa, de acordo com a sua “forma ” que também faz parte da singularidade de expressão física que o Ser escolheu...Nem gêmeos univitelinos são completamente iguais fisicamente.

Duas pessoas podem receber a mesma sessão de uma mesma técnica terapêutica de alinhamento energético, por exemplo, que a experiência de cada uma vai ser singular, um pode acessar o paraíso e outro o inferno pessoal.

Também não adianta querer compartilhar suas experiências, sensações, sentimentos e emoções; só você sabe como sentiu, o que o outro pode ter é uma  idéia aproximada da sua experiência, mas a experiência foi só sua, sentir como você sentiu ninguém mais vai sentir. E verbalizar ou escutar a experiência não é o mesmo que ter a experiência.

A Jornada é individual, intransferível,  é única e  só sua!
Certa vez, num trabalho energético iniciático, passei por um profundo e forte alinhamento; ao terminar o trabalho estava muito expandida e ainda integrando o processo, e uma garota saltou invasivamente dentro do meu campo de energia, com aquela curiosidade  para sentir o que eu estava sentindo, insistindo para  que eu compartilhasse o meu processo com ela,  me disse:

“- O que você está sentindo? Queria tanto sentir o fluxo como você sente”.

Ainda num outro trabalho energético em dupla, onde houve uma forte ativação dos dois participantes, cuja intensidade fora percebida pelos mais sensíveis, uma terceira pessoa entrou no campo com a intenção  de tomar para ela um "pouco daquilo"; a experiência desta pessoa não foi a mesma, e ela ficou com a sensação de insatisfação e todas as suas atitudes subsequentes foram a de cortar o fluxo sentido pela dupla... Neste caso, já existe um agravante, a inveja, doença da alma  que, segundo Plantão, é uma das mais difíceis de curar, assunto que vamos tratar em outro texto.

Este tipo de invasão provoca um choque no campo de quem está expandido e no campo de quem entra... Madre Tereza teria a resposta ideal para este momento.

Respirei e procurei compartilhar o que me foi possível traduzir em palavras naquele momento,  o que é muito difícil sem o tempo necessário de integração.

Muito mais tarde meditando a respeito me ocorreu: será mesmo que ela queria ou só queria sentir... usufruir de forma egoista da parte boa do processo? A parte boa da expansão e do sentir o fluxo e do prazer não está dissociada da parte dolorosa... A parte boa é  a parte que só antecede um profundo mergulho na sombra... Toda vez que passei por fortes alinhamentos, na seqüência, precisei ter muito amor e autoacolhimento, pois acessei o absurdo de mim mesma. É aí que digo que é preciso ser forte e vulnerável para mergulhar nas profundezas de si mesmo... Pois é somente através do mergulho na escuridão que a luz se manifesta, que se pode reconhecer também a “Graça” que está além da escuridão.

É preciso coragem para empreender essa Jornada, sabendo que encontrará momentos de profunda solidão, de muita sombra e absurdo, mas também de muita graça e alegria. E ter a consciência de que isso não pode ser compartilhado plenamente, nem o absurdo e nem a graça... Que nem todos poderão caminhar lado a lado, que você não poderá mudar o outro, que você só pode mudar a si mesmo e que precisará aceitar o que não pode ser mudado, aí é preciso muita  humildade, reconhecer-se terroso (húmus).

O autocuidado, autoperdão e o autoacolhimento são ferramentas importantes desta Caminhada. Você vai errar muitas vezes, vai se deparar com suas partes sombrias, vai cair num mesmo buraco muitas e muitas vezes até aprender que pode escolher andar por outra rua.

Você cada vez mais vai se transformando num espelho cristalino onde os outros verãos refletidos suas sombras e luzes; ser espelho da luz do outro é maravilhoso, mas  poucos sustentam  serenamente e incólumes ser o reflexo das sombras do outro.

Com Amor, Luz e Gratidão



Obrigado por votar
Gostou deste Artigo?   Sim   Não   
Total de 4 votos

Autor: Mônica Lampe   
HeartMath® Certified Coach/Mentor, Pós Graduada em Psicologia Transpessoal, formada em Dinâmica Energética do Psiquismo, Cura Multidimensional Arcturiana, Terapia Floral, Frequências de Brilho e Professora de Maná.
E-mail: monicalampe@hotmail.com
Visite o Site do autor e leia mais artigos.

Publicado em 21/12/2014
 

Deixe sua opinião sobre este artigo



Acessar seu Clube STUM
Faça
seu login


© Copyright 2000-2017 SOMOS TODOS UM - O conteúdo desta página é de exclusiva responsabilidade do Participante do Clube. O Stum não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços oferecidos pelos associados do Clube, conforme termo de uso STUM.