Quando a xícara fica cheia  
   

Quando a xícara fica cheia

Autor Marco Moura - marcomoura@dao.com.br


Ao encher uma xícara totalmente, uma mínima gota é suficiente para fazê-la transbordar. Um leve esbarrão é suficiente para derramar o seu conteúdo. Pode-se dizer que a xícara torna-se intolerante à instabilidade. O mesmo acontece com o ser humano quando o seu ego está cheio: torna-se intolerante às pequenas oscilações da vida.

Aquilo que chamamos de EU e MEU denota o ego. Pode-se dizer que o ego é o Senhor da mente. Assim, a mente é subordinada ao ego, com a função de satisfazer as suas necessidades, protegê-lo e fazê-lo lucrar. Sendo serva do ego, a mente persegue aquilo que o satisfaz e defende-o das ameaças. Para tanto, ela tem mecanismos inconscientes de autopreservação, como o desencadeamento das emoções do medo e da raiva, por exemplo.

A mente sabe discriminar muito bem, identificando o que é desejável e o que é uma ameaça ao ego, mas não tem o mecanismo da tolerância. Por si só, a tolerância não é interessante para o ego, portanto, a mente não tem essa função. Ela é totalmente condicional: age em função do interesse do ego, buscando um resultado satisfatório, sempre dando respostas aos estímulos internos e externos com uma justificativa egoica de forma reativa. As faculdades incondicionais como a compaixão não fazem parte de sua programação.

Da mesma forma que a xícara cheia, onde qualquer turbulência faz com que transborde, quando o ego está inflado, a mente também transborda. Se o medo transborda, há algo que se está protegendo em demasia. Quando se sustenta um eu/meu e algo o leva a crer que isso está desprotegido, gera-se temor. Esse temor transforma-se em raiva quando as coisas não seguem conforme a expectativa; esta raiva vira ódio. Quando o medo e a raiva surgem sem motivo, a mente já está contaminada com uma crença cega e o seu mecanismo de proteção está ativado espontaneamente. As células do corpo já estão impregnadas com essa energia, os meridianos vitais já estão bloqueados. A xícara da mente já está cheia até a borda.

É certo que esse mecanismo autoprotetor sabota a própria felicidade. Por que não esvaziar a xícara, escolhendo ser livre e não condicionado? Ao invés de sobreviver como se estivesse numa terra inimiga cheia de perigos, há a chance de se escolher a paz. Paz somente com liberdade, sem a prisão de um ego inflado que torna a pessoa rígida e ranzinza. Para que viver assim? Mais sábio é esvaziar a mente, descondicionar-se, agir pelo não-agir. O eu tem muitas necessidades e a função da mente é atendê-los. Portanto, há de se compreender a mente. A mente mostra as diretrizes, cabe à sua intenção a decisão de qual caminho seguir.

Marco Moura

Texto revisado


Obrigado por votar
Gostou deste Artigo?   Sim   Não   
Avaliação:
Quando a xícara fica cheia
5 6


Autor: Marco Moura   
Marco Moura desenvolve no Centro Cultural do Templo Tzong Kwan (Vila Mariana, São Paulo) atividades para o desenvolvimento integral de corpo e mente através de terapias orientais, meditação e artes marciais. Fisioterapeuta, faz atendimentos de Acupuntura; ministra aulas de Tai Chi Chuan, Kung Fu e Meditação.
E-mail: marcomoura@dao.com.br
Visite o Site do autor e leia mais artigos.

Publicado em 08/10/2013
 

Deixe sua opinião sobre este artigo



Acessar seu Clube STUM
Faça
seu login


© Copyright 2000-2018 SOMOS TODOS UM - O conteúdo desta página é de exclusiva responsabilidade do Participante do Clube. O Stum não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços oferecidos pelos associados do Clube, conforme termo de uso STUM.