Esqueci a senha
 

 
O que o amor nos mostra
Bookmark and Share

O que o amor nos mostra

por Maria Silvia Orlovas - morlovas@terra.com.br

Dora chegou até a mim profundamente cansada, desgastada com sua vida. Executiva, relativamente bem-sucedida, casada pela segunda vez, com filhos crescidos, ela diz ter perdido o sentido da vida.

Um quadro claro de depressão que ela guarda por trás de boas roupas e gestos articulados. Porém, numa sessão de terapia, como não precisava se preocupar em manter as aparências, deixou-se à mostra. Na verdade, depois do nosso primeiro encontro, quando já confiava mais em mim, seu desejo era explicar tudo, falar tudo, mostrar suas dores na expectativa que eu a curasse.

Como ela estava muito cansada da sua vida e dos desencantos que estava sofrendo nos últimos anos, acreditava que tinha que resolver tudo logo. Estava com pressa de ser feliz. Mas quando fiz algumas perguntas para entender melhor o que ela sentia, aquela mulher firme e polida, mostrou com sua fala que não tinha intenção de mudar muita coisa. Na verdade, ela queria que as pessoas mudassem. Como ela achava que fazia tudo, que dava o seu melhor aos filhos, ao marido, a família, por que mudar?
Ela achava que fazia tudo corretamente, então, a responsabilidade de mudança não era dela!

Ela não via o seu autoritarismo, ao contrário, como fazia tudo por todos, e se doava profundamente ao bem da família, como poderia estar errada?
O diálogo racional dela era praticamente perfeito. Desculpas e explicações muito convincentes que ela criou e alimentou ao longo de anos.

Vidas Passadas, depois de algumas sessões de limpeza, onde apareceram até energias de obsessores e vidas de perdas repentinas, em que foi vítima de guerras e lutas, que explicava esse desejo insano de controlar tudo, nesta última sessão mostrou uma pessoa frágil, uma menina triste querendo ser amada, acolhida, cuidada.

Ela se emocionou muito e disse que tudo isso era a mais pura verdade, porém, como ela que direcionava os relacionamentos, não sabia receber. Quando sugeri que ela falasse mais de si, que pedisse ajuda, esbarramos numa outra grande dificuldade, que acontece na vida de muita gente, nos deparamos com um relacionamento viciado.
Muitas vezes, as pessoas assumem um jeito de viver, cumprem um papel com o parceiro, com a vida, que fica muito difícil mudar.

Conheço pessoas que são ótimas com todo mundo, que se doam de verdade, mas que também são donas da verdade e intransigentes. São amorosas, mas acabam cansando os filhos e os parceiros e terminam por viverem muito solitárias.
Você ja ouviu falar da solidão acompanhada? Perguntou Dora me olhando profundamente.

Claro que conheço esse padrão de comportamento, expliquei tentando encoraja-lá a se expor um pouco mais. Por que descobri que normalmente o solitário tem medo de mudar, medo de se expor, medo de errar, e que a solidão acaba sendo também uma forma de se proteger.

Na verdade, a pessoa tenta mudar, mas não o suficiente, por que tem medo do que pode acontecer. Há no solitário, um certo desejo de controle. Afinal, se você está sozinho, domina o mundo à sua volta. Domina o seu pequeno mundo.
Dora foi se abrindo aos poucos. Teve muita resistência quando a convidei para frequentar os grupos. Expliquei que a convivência em grupos é muito saudável, pois precisamos ouvir, precisamos sentir as pessoas.

Ela acostumada a mandar, resolver problemas, buscar respostas e superar medos sozinha, não entendia por que tinha que se abrir. Achava que era correto se bastar, não precisar de ninguém. Mas ficou sem ação quando perguntei se ela era feliz.
Sim, porque se você está bem, se você esta feliz, saudável, então, não precisa de mais nada. Nem de terapia, nem de nenhum outro tipo de ajuda. Mas se as coisas estão complicadas, se você se sente sem rumo, então, é hora de se questionar. De tentar entender o que está sentindo e de mudar.
Como ela achava que fazia tudo por amor, que era uma boa pessoa, e que tudo estava no devido lugar, por que mudar?
Porém, ela mesma riu da situação quando notou que falava sem parar que era feliz. Que estava tudo bem.

O que percebo em muita gente é a profunda inconsciência em relação às suas máscaras. As pessoas costumam não entender que criaram máscaras. Principalmente quando se acham boas, amorosas, generosas. Quase ninguém aceita pensar que esse amor todo também é uma máscara, um desejo de controlar tudo, de manipular as pessoas. Entretanto, quando a pessoa aceita, esta visão se torna liberadora.

Então, sugiro a você, amigo leitor, que quando pensar em si mesmo, quando pensar nos seus motivos, mergulhe mais fundo e veja o que o motiva. E se você está feliz se doando com amor, continue. Faça com muito carinho mesmo, mas se você está triste, magoado com as pessoas, desencontrado em relação à sua família, doente, por favor, questione suas atitudes. Por que o amor expande e faz feliz. Se você não está feliz, dê um passo atrás e questione sua forma de agir.
O caminhar espiritual pode ajudar. 

Participe do Grupo de Meditação Dinâmica
Confira os ensinamentos e meditações curativas que Maria Silvia ensina participando de um dos seus grupos. Venha participar do seu Grupo de Meditação Dinâmica que acontece todas as quartas-feiras, no seu espaço em São Paulo. Venha ouvir pessoalmente as canalizações.

Texto revisado



por Maria Silvia Orlovas   
Maria Silvia Orlovas é uma forte sensitiva que possui um dom muito especial de ver as vidas passadas das pessoas à sua volta e receber orientações dos seus mentores.
Me acompanhe no Twitter e Visite meu blog

Lido 5452 vezes, 154 votos positivos e 2 votos negativos.   
E-mail: morlovas@terra.com.br
Visite o Site do autor

Gostou deste Artigo?
Sim Não    
Imprimir
este Artigo
Enviar para
um amigo
Outros Artigos
deste autor


© Copyright 2000-2014 SOMOS TODOS UM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
PRINCIPAL ARTIGOS
LOGAR PRODUTOS
ASSINAR SERVIÇOS
PARTICIPANTES EVENTOS