Artigo de Keli Soares: Por que não faço o que me propus? - | Artigos do Clube
 
Por que não faço o que me propus?  
   

Por que não faço o que me propus?

Autor Keli Soares - kelisoares@hotmail.com


Um hábito que causa sofrimento é a procrastinação. Procrastinar é deixar para depois o que tinha se comprometido em fazer, é ficar adiando coisas que gostaria de fazer agora. Funciona mais ou menos assim, em um dia você diz a si mesmo: amanhã vou acordar cedo, ir para a academia, depois vou trabalhar e quando voltar para casa vou arrumar aquele armário que está uma bagunça. Na hora em que você se propõe a fazer isto, você se sente cheio de determinação e força. Sente-se bem porque pensa que vai conseguir realizar o que está se propondo, fica feliz, energizado e quando o amanhã vira hoje, você não acorda cedo e diz para si mesmo que está muito cansado, que precisa dormir mais um pouquinho, não vai à academia, vai trabalhar, mas quando volta para casa aquele armário continua lá, do mesmo jeito.

E você se sente péssimo, pensa: eu não consigo fazer o que preciso fazer, é sempre assim, por que eu sempre faço isto? E segue uma avalanche de pensamentos que tiram ainda mais sua energia, você se enche de culpa e sua mente vira um muro de lamentações. É comum também começar a dar desculpas para diminuir a dor de não conseguir obedecer a si mesmo: estou trabalhando muito, a culpa é de fulano, sempre acontece alguma coisa que atrapalha... Existem várias maneiras de enganar a si mesmo e isto de alguma forma, por um pequeno tempo parece ajudar. E logo o padrão se repete: o planejamento, amanhã eu vou...¨e quando o amanhã é hoje, nada é feito e vem a culpa, as desculpas... Isto causa muito sofrimento e vai fortalecendo o hábito de procrastinar... E cada vez é mais difícil sair deste ciclo vicioso...
Mas o que fazer para romper com este ciclo vicioso e desenvolver disciplina?
O que fazer para conseguir obedecer a si mesmo e cumprir o que se propôs?

A primeira coisa é aceitar que tem este hábito. Somos seres de hábitos e aqueles comportamentos que repetimos passam a fazer parte de nossa rotina como se fosse parte de nós. Continuar fazendo como sempre fez não vai ajudá-la em nada. É preciso colocar um vírus no padrão. Fazer algo diferente. Por exemplo, você pode deixar de fazer planos, abdicar de ir a academia amanhã. Abdicar de acordar cedo amanhã. Abdicar de começar o regime na segunda-feira. E você pode me dizer: Keli, mas eu tenho que fazer academia, ou eu tenho que acordar cedo, ou eu tenho que fazer regime. O pensamento "eu tenho que" é considerado por Daniel Amen (Autor do livro ¨Transforme seu cérebro, transforme sua vida¨) como um pensamento negativo automático e causa mais pressão, tira de você mais energia e fortalece ainda mais o hábito negativo.

"Para andar 3 mil quilômetros é preciso dar o primeiro passo". Então, comece mudando as palavras que usa para construir seus pensamentos e suas afirmações. Ao invés de pensar ¨eu tenho que ir a academia amanhã¨, quando acordar você pode pensar ¨eu posso ir a academia hoje¨, ¨qual tempo livre eu tenho hoje e poderia ir à academia?¨. Diminua a pressão sobre si mesmo e coloque metas que sejam mais fáceis para você cumprir.

Existem coisas que você se propõe e cumpre todos os dias. Você pode usar estas coisas que já faz para começar a mudança e fortalecer um novo padrão. Muitas vezes precisamos driblar a nossa mente para mudar padrões enraizados. Comece a convencer a si mesmo de que você se obedece em muitas situações. Você vai trabalhar todos os dias, você se obedece neste ponto, não é mesmo? Então, quando chegar no trabalho você pode reafirmar para si mesmo: acabo de cumprir uma meta que me propus. Você pode decidir almoçar em um restaurante X e ir a este restaurante e ali dizer a si mesmo: eu obedeci a mim mesmo e estou no restaurante que me propus vir. Pode parecer que não funciona, mas assim você estará criando um novo padrão que confirma que você obedece a si mesmo e sua mente começa a entender que você pode fazer isto em outras situações.

Depois que aprendemos a escrever com a mão direita, podemos fazer as letras com os pés, não é verdade? Podemos transferir uma aprendizagem para outras áreas de nossa vida. Vá trabalhando com as pequenas coisas e afirmando para si mesmo que são evidências de que você consegue cumprir sua palavra e quanto mais experiências você considerar que são evidencias de que você faz o que se propõe, mais forte fica o padrão novo porque semelhante atrai semelhante. Se você convence a sua mente de que pode, ela vai acreditar em você e à medida que você reforça positivamente o seu diálogo interno se parabenizando por cada coisa que você realiza, seja o que seja, se sentirá melhor e os motivos para continuar se sentindo assim vão surgindo e quando menos perceber lá estará você na academia, por exemplo, sem precisar de muito esforço.

Estou torcendo para que você se transforme no melhor vendedor de ideias para si mesmo!

Abraços

Keli

Texto revisado


Obrigado por votar
Gostou deste Artigo?   Sim   Não   

Autor: Keli Soares   
Pós-graduada em Gestão de Pessoas; Graduada em Psicologia; Formação na Abordagem Ericksoniana, Abordagem Estratégica; PNL e Coaching. Psicoterapia, hipnoterapia, terapia breve. Analista de PI (Predictive Índex) – Arquitetura Humana – Brasil. Treinamento e consultoria na área de Gestão de Pessoas.
E-mail: kelisoares@hotmail.com
Visite o Site do autor e leia mais artigos.

Publicado em 18/07/2013
 

Deixe sua opinião sobre este artigo



Acessar seu Clube STUM


© Copyright 2000-2017 SOMOS TODOS UM - O conteúdo desta página é de exclusiva responsabilidade do Participante do Clube. O Stum não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços oferecidos pelos associados do Clube, conforme termo de uso STUM.