Artigo de Flávio Bastos: Amar é compartilhar felicidade! - | Artigos do Clube
 
Amar é compartilhar felicidade!  
   

Amar é compartilhar felicidade!

Autor Flávio Bastos - flavio01bastos@gmail.com


A psicanálise, por ser um método de investigação dos processos mentais, nos fornece uma preciosa contribuição no que diz respeito ao tratamento das desordens emocionais.

Nesse sentido, na fase infantil quando mãe e pai biológicos (ou substitutos) são referências máximas na futura definição de perfis masculino e feminino, distúrbios psíquicos podem interferir nas relações afetivas do filho adulto.

À propósito da escolha de perfis, desde traços físicos e fisionômicos até o temperamento do pai ou da mãe ocorre num nível inconsciente. E uma situação corriqueira, que exemplifica tal afirmativa, é o da escolha que “surpreende”, ou seja, entre pretendentes mais interessantes sob o ponto de vista estético ou financeiro, o filho ou filha escolhe justamente aquele(a) que familiares ou amigos não entendem os motivos...

Na verdade, quando escolhemos o parceiro ou a parceira para um compromisso sério, estamos depositando naquele indivíduo, expectativas de que o suprimento de amor do qual necessitamos seja contemplado nessa relação.

No entanto, esse “suprimento” que representa as nossas carências afetivas, não inicia na nova relação com o sexo oposto, mas a continuidade do histórico de relações com as figuras materna e paterna que são transferidas para a atual relação.

As carências afetivas, portanto, tornam-se transferenciais, isto é, passam do pai ou da mãe para aquela mulher ou aquele homem cujas expectativas de suprimento que restou do passado, alimentamos inconscientemente.

Em suma: parceiro não é pai, mas tem que ser um pouco “pai”. Parceira não é mãe, mas deve ser um pouco “mãe”. Caso contrário, sentimentos não resolvidos com as figuras referenciais da infância, podem emergir com a energia das emoções desequilibradas que acabam por afetar a qualidade do relacionamento.

E quando a qualidade da relação deteriora é sintoma de que a gratificação afetiva -ou suprimento- não satisfaz as expectativas inconscientes, ou seja, o relacionamento repete o padrão do passado onde os traumas psíquicos (rejeição, ausência, abandono, etc.) que se tornaram crônicos em forma de psiconeuroses, começam a mexer com as emoções e a desgastar o relacionamento.

Portanto, o mais importante nas relações afetivas adultas é ambos encontrarem o ponto de equilíbrio entre a demanda afetiva do passado e a necessidade de suprimento do presente. Não esquecendo, que não basta ser um pouco mãe ou pai se o inerente desejo sexual não for contemplado pelo desempenho dos amantes...

Invariavelmente, o relacionamento íntimo -e sério- entre duas pessoas, envolve a fusão de carências afetivas, desejos e expectativas de crescimento pessoal e mútuo. E na ânsia de preencher o vazio de amor que ficou da relação com as figuras parentais da infância, o volume de energia que acompanha o envolvimento afetivo do casal, costuma gerar conflito de egos.

Se os envolvidos não tiverem um nível aceitável de conhecimento de si mesmos e do que o outro representa na relação, o envolvimento tende a fixar-se na demanda instintual (sexo), que apesar de ser importante no contexto geral, é apenas mais um ingrediente na qualidade do relacionamento.

Amar exige cumplicidade no sentido de compreender as carências que transitam numa relação amorosa. Ignorar é assumir um comportamento infantil ainda sintonizado ao passado.

Por este motivo, o risco maior para a relação ocorre quando levamos para a proposta de crescimento mútuo e pessoal, os sentimentos negativos que transferem-se para o outrem em forma de processo obsessivo e asfixiante para ambos, como a dependência afetiva e o ciúme patológico, entre outros.

Quanto mais estivermos focados numa relação afetiva estável, mais libertos estaremos da sintonia do passado para assumirmos a condição de adultos que encaram o amor como uma forma de buscar a completude e a felicidade.

Sob a ótica psicanalítica da alma, as experiências servem de aprendizado. E, a partir do momento vital que compartilhamos a felicidade em um relacionamento afetivo estável e de qualidade, tal experiência é inserida à nossa memória extracerebral (periespiritual) e ao nosso conhecimento, aprimorando, dessa forma, a nossa sensibilidade para o amor e alterando o modelo comportamental que nos acompanha há muitas vivências.

Uma vez “quebrado” esse paradigma comportamental pela gratificante experiência afetiva de uma única vida (aprendizado), e a partir de uma visão mais abrangente do amor, o ser imortal torna-se preparado para novas relações afetivas que envolvam a transparência e a leveza da felicidade compartilhada.

www.flaviobastos.com



Texto revisado


Obrigado por votar
Gostou deste Artigo?   Sim   Não   

Autor: Flávio Bastos   
Flavio Bastos é criador intuitivo da Psicoterapia Interdimensional (PI) e psicanalista clínico. Outros cursos: Terapia Regressiva Evolutiva, Psicoterapia Reencarnacionista, Terapia Floral, Psicoterapia Holística, Parapsicologia, Capacitação em Dependência Química, Hipnose e Auto-hipnose e Dimensão Espiritual na Psicologia e Psicoterapia.
E-mail: flavio01bastos@gmail.com
Visite o Site do autor e leia mais artigos.

Publicado em 15/06/2011
 

Deixe sua opinião sobre este artigo



Acessar seu Clube STUM
Faça
seu login


© Copyright 2000-2017 SOMOS TODOS UM - O conteúdo desta página é de exclusiva responsabilidade do Participante do Clube. O Stum não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços oferecidos pelos associados do Clube, conforme termo de uso STUM.