Artigo de João Carvalho Neto: SEM MEDO DE SER FELIZ - | Artigos do Clube
 
 
   

SEM MEDO DE SER FELIZ

Autor João Carvalho Neto - joaoneto@joaocarvalho.com.br


“E, atemorizado, escondi na terra o teu talento; aqui tens o que é teu”
Mateus, 25–25

A parábola dos talentos traz importante conteúdo para nossas reflexões. O servo, temeroso da severidade de seu patrão, desperdiça os talentos que dele havia recebido e, justamente por isso, não entra nos gozos que o seu senhor havia reservado àqueles que souberam multiplicar seus bens.

Assim é a vida para conosco. Cada um de nós tem recebido talentos da Providência Divina com o objetivo de fazer uso produtivo de cada um deles, transformando esses recursos em produtos do bem, da felicidade e do amor. Mas viver é arriscar-se. A única segurança que temos diante do futuro é aceitar com tranqüilidade que não existe, na verdade, nenhuma segurança quanto a este futuro, a não ser a certeza de que somos espíritos imortais, destinados a uma felicidade que se constrói a partir de nossas próprias ações.

A experiência nas atividades profissionais e de atendimento fraterno me têm mostrado o quanto as pessoas estão possuídas pelo medo. Medo de amar e não serem correspondidas, medo de confiar nos outros, medo de serem sinceras quanto às suas emoções e saírem feridas das relações, medo de não conseguirem sustentar-se financeiramente, medo de arriscar um trabalho novo, uma experiência nova ... medo de serem felizes. E parece que associado a este comportamento está presente um egoísmo que as impede de saírem de si mesmas para irem ao encontro do outro, de compartilhar a vida com seus semelhantes, sem interesses maiores além dos de ser e fazer o outro feliz.

Quanto mais fechados em torno das próprias necessidades – e fechados a dividir com o outro – menos também a contabilidade divina nos dará de retorno. É certo que existe um grande sistema contábil no universo, regido por uma sincronicidade psíquica, pessoal para cada individualidade. Quando nos abrimos para esse equânime sistema de trocas, haveremos de receber de tudo o que necessitamos, desde os recursos materiais indispensáveis à sobrevivência até as emoções que nos gratificam a alma. Por isso mesmo cada um de nós nasce com seus talentos pessoais, aqueles recursos que já desenvolvemos em vidas passadas ou que nos são proporcionados pela Providência Divina para o uso em favor da vida ao nosso redor, em favor dos nossos semelhantes. Ficar estagnado, paralisado por uma inércia comodista e temerária, é desperdiçar todas essas possibilidades o que, além de uma atitude egoísta, também é um desmerecimento à frutificação com que o cosmos nos abençoa.

Quem aprende a andar cairá algumas vezes. Quem senta em uma bicicleta, se equilibrando em duas rodas, sabe que em algum momento um tombo é inevitável. Pois quem vive a vida, se permitindo usufruir das boas experiências a que é convidado, também cedo ou tarde haverá de se machucar, de se frustrar nas suas mais sinceras intenções. Mas conhecerá a felicidade, a alegria de aprender mesmo que quando levantando-se de algum tombo inesperado. Contudo, aquele que foge à vida tentando imunizar-se à dor, também se imuniza das graças com que a Divina Providência abençoa àqueles que assumem a sua cidadania cósmica, dando e recebendo na gratificante ciranda da sinfonia universal.

Saia de sua cadeira. Abandone a ilusória proteção das poltronas de sua sala onde uma televisão insiste em tentar convencê-lo de que o mundo lá fora é perigoso. É e será perigoso para quem não acredita na imortalidade da alma e teme a morte, para quem desconhece a lei de causa e efeito regendo nossas alegrias e aflições inexoravelmente e imagina poder privar-se daquela dor inevitável que lhe está destinada. É e será perigoso para quem não faz do amor, do exercício da caridade e da fraternidade um lema de sua vida, porque aquilo que não dermos de direito aos nossos semelhantes ser-nos-á tomado à nossa revelia.

Jesus nunca foi um pregador da tristeza, da dor ou do medo. Ao contrário, viveu a alegria do convívio com seus companheiros, apaziguou a dor dos aflitos, incitou os homens ao trabalho no bem, pregou a felicidade como recompensa da prosperidade espiritual.

O amor ao próximo começa pelo amor a nós mesmos. Jamais faremos os outros felizes se essa felicidade não começar a partir de nós mesmos. O mundo lá fora anseia por transformações que somente virão com aquelas que se operarem na nossa intimidade. O bem que precisamos fazer em favor de nossos semelhantes caminha lado a lado com a satisfação do bem de que somos ainda carentes. A religiosidade não precisa nem deve ser vivida de forma taciturna. Nossa pregação de alegria somente terá legitimidade na alegria com que demonstrarmos nossa convicção.

Por isso descortine as barreiras de seu protecionismo, chegue-se à rua, chegue-se à vida e faça com que ela seja melhor para você e seus semelhantes. É a isso que Jesus nos convida. Como disse o poeta: “Devia ter amado mais, ter chorado mais, ter visto o sol nascer”.

Que este Natal seja pleno de paz e alegria com Jesus para todos nós e que o ano de 2006 seja marcado pelo destemor com que brindaremos às dádivas do Senhor.

João Carvalho Neto
Psicanalista, autor do livro “Psicanálise da alma”

Texto revisado por Cris


Obrigado por votar
Gostou deste Artigo?   Sim   Não   

Autor: João Carvalho Neto   
Psicanalista, Psicopedagogo, Terapeuta Floral, Terapeuta Regressivo, Mestre em Psicanálise, autor da tese “Fatores que influenciam a aprendizagem antes da concepção”, autor da tese “Estruturação palingenésica das neuroses”, autor do Modelo Teórico para Psicanálise Transpessoal, autor dos livros “Psicanálise da alma” e “Casos de um divã transpessoal
E-mail: joaoneto@joaocarvalho.com.br
Visite o Site do autor e leia mais artigos.

Publicado em 21/11/2005
 

Deixe sua opinião sobre este artigo



Acessar seu Clube STUM
Faça
seu login


© Copyright 2000-2017 SOMOS TODOS UM - O conteúdo desta página é de exclusiva responsabilidade do Participante do Clube. O Stum não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços oferecidos pelos associados do Clube, conforme termo de uso STUM.