Artigo de Flávio Bastos: Em busca de novos horizontes - | Artigos do Clube
 
Em busca de novos horizontes  
   

Em busca de novos horizontes

Autor Flávio Bastos - flavio01bastos@gmail.com


"Se quiser pôr à prova o caráter de um homem, dê-lhe poder". (Abraham Lincoln)

A cultura ocidental, pelo fato de ser marcantemente influenciada por valores materialistas que ditam regras de comportamento, visualiza a morte como um "fim", ou seja, existimos enquanto pessoas dotadas de inteligência, caráter, memória e um corpo físico, até o momento do desenlace final. A partir daí, na concepção materialista, tudo é possível e, ao mesmo tempo, impossível de acontecer, pois dependerá das crenças de cada pessoa em relação à morte. É o âmbito do relativismo onde tudo pode acontecer!

Na verdade, fica difícil entendermos sob o ponto de vista materialista, que inteligência, caráter e memória não se perde com a morte do corpo físico. Mas como, a pessoa desaparece e continua existindo em outra dimensão? E ainda por cima, acompanhada da memória, traços de caráter e inteligência?

O imediatismo da vida no mundo ocidental, passa-nos a idéia - e a crença - de que a existência humana é traçada por uma linha vital que passa por três pontos básicos: início (nascimento), meio (maturidade) e fim (velhice/morte). Tudo que ocorre de diferente entre esses pontos, como mortes prematuras, curas milagrosas, catástrofes e longevidade, entre outros, não é suficientemente explicado pela ciência.

Assimilar, por exemplo, que o caráter de um indivíduo o acompanha nas sucessivas reencarnações, e que a educação parental é a referência para que traços negativos de caráter se transformem em traços positivos, alterando, dessa forma, uma tendência de muitos séculos do espírito imortal, é algo muito difícil de entender para a mente que tem uma percepção linear da vida. Fica mais fácil entender - e acreditar - que a vida é "início, meio e fim", ou seja, "depois é depois, e cada um entende como quer e se vira como pode!"

"Viver a vida intensamente, aproveitando cada minuto como se fosse o último", é uma panacéia  em que somos induzidos a acreditar, porque os valores de consumo que envolvem a sociedade, não podem esperar para nos vender o mais rápido possível, a sua fórmula mágica de felicidade...

Independentemente das crenças, a experiência regressiva pela qual a pessoa acessa a sua memória extracerebral, pode tornar-se uma oportunidade inédita de aprendizado sobre si mesmo. Perceber que o que era na outra vida não é diferente do que ela é na vida atual, estimula à reflexão e à elaboração de um conteúdo psíquico à luz da consciência, onde o "impulso" para a mudança interior pode representar-lhe o estímulo que faltava.

Outros, diante da experiência regressiva, percebem que no passado já foram mais "focados" no cultivo de valores espirituais, mas que se desviaram do foco devido ao surgimento de interesses egoístas no decorrer das reencarnações. É a oportunidade do resgate de valores que perderam-se no tempo...

Outros tantos, diante das revivências de vidas passadas, percebem que com o tempo, alguns traços negativos de caráter se transformaram em traços positivos, proporcionando-lhes, dessa forma, alívio e satisfação com o progresso espiritual.

Início, meio e fim é apenas um capítulo da longa história do ser inteligente. Retornamos sempre para vivenciar mais um capítulo desta história que teve um começo, mas cujo final dependerá da transformação positiva do conjunto de nosso caráter, que é a cura interior.

O século vinte e um, berço do terceiro milênio, traz consigo uma nova orientação às ciências do comportamento humano: a necessidade de evoluirmos ao nível do autoconhecimento avançado, ou seja, aquele que através da investigação do inconsciente humano, contempla a regressão como forma de proporcionar ao indivíduo em tratamento, uma visão mais ampla de si mesmo e da origem dos problemas que o afligem.

Temos que sair da visão linear que explica em parte, mas não explica o todo, pois a formação do caráter de uma pessoa não se situa somente na infância de uma única vida, embora, como já frisamos, a educação dos pais, ou substitutos, seja fundamental para que o caráter altere-se negativa ou positivamente.

Nos bastidores do comportamento humano, na espiritualidade, caráter e reencarnação representam leis, desafios, promessas, resgates, combinações, preparação e vontades que independem de nossa crença ou não na imortalidade da alma. Nós, enquanto ciência, é que devemos (re)formular teorias e aperfeiçoar conhecimentos no sentido de elevarmos o nível do autoconhecimento humano. Patamar que beneficiará a todos, indistintamente, ao iluminar mentes e consciências envolvidas com o tratamento psíquico-espiritual.

Reencarnação e caráter, portanto, são referências inseparáveis que se completam no estudo do inconsciente humano. Separá-los é continuar visualizando o homem e suas manifestações comportamentais com a ótica retilínea do "início, meio e fim" da existência humana sobre o planeta Terra.

O terceiro milênio nos convida a sairmos da linha plana e subir a montanha do conhecimento onde a visão se alarga em busca de novos horizontes.

Psicoterapeuta Interdimensional.
www.flaviobastos.com
  

Texto revisado



Obrigado por votar
Gostou deste Artigo?   Sim   Não   

Autor: Flávio Bastos   
Flavio Bastos é criador intuitivo da Psicoterapia Interdimensional (PI) e psicanalista clínico. Outros cursos: Terapia Regressiva Evolutiva, Psicoterapia Reencarnacionista, Terapia Floral, Psicoterapia Holística, Parapsicologia, Capacitação em Dependência Química, Hipnose e Auto-hipnose e Dimensão Espiritual na Psicologia e Psicoterapia.
E-mail: flavio01bastos@gmail.com
Visite o Site do autor e leia mais artigos.

Publicado em 19/08/2010
 

Deixe sua opinião sobre este artigo



Acessar seu Clube STUM
Faça
seu login


© Copyright 2000-2017 SOMOS TODOS UM - O conteúdo desta página é de exclusiva responsabilidade do Participante do Clube. O Stum não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços oferecidos pelos associados do Clube, conforme termo de uso STUM.