Artigo de Flávio Bastos: Maquiavelismo e reencarnação - | Artigos do Clube
 
Maquiavelismo e reencarnação  
   

Maquiavelismo e reencarnação

Autor Flávio Bastos - flavio01bastos@gmail.com


Conforme o Dicionário da Língua Portuguesa, o termo "maquiavelismo" origina-se do sistema político criado por Niccolò Machiavelli, segundo o qual os fins justificam os meios. Passados quase quinhentos anos após a morte de Maquiavel, o seu método político desprovido de preocupações éticas e morais, aperfeiçou-se, a ponto de estimular na política atual, condutas pérfidas e sem escrúpulos.

Sob o ponto de vista da reencarnação, possivelmente, muitos dos que conviveram ao lado de Niccolò Machiavelli, há cinco séculos atrás, estejam novamente entre nós, inclusive o próprio Maquiavel, atuando novamente no âmbito político ou em outras áreas profissionais, a manipular mentes e a defender interesses pessoais como faziam no remoto passado.

Desde tempos imemoriais, o poder fascina o ser humano, e uma vez que sinta o "gosto" do poder, a tendência do espírito ainda cativo do orgulho, egoísmo, vaidade e ambição desmedida, é deixar-se levar pelos instintos até atingir a qualquer custo, os seus objetivos.

Em cada reencarnação do espírito, a lei do esquecimento neutraliza lembranças de vidas passadas, pois o que vale é a orientação pelo livre arbítrio. No entanto, o "cerne" do que somos, ou seja, o caráter, permanece imutável. Exceto quando a educação equilibrada na infância, age positivamente no psiquismo da criança, (re)estruturando o seu caráter. Esse é o principal objetivo da educação, o que torna os pais biológicos ou substitutos, pessoas altamente responsaveis pela formação ética e moral de seus filhos, independentemente do que eles foram no remoto passado.

Os desequilíbrios da educação na infância, associado aos traços de caráter e ao livre arbítrio que acompanham o espírito em sua nova jornada no mundo físico, fazem da mente maquiavélica - ou perversa - um terreno fértil para que continue a atuar conforme atuava há séculos atrás.

Imaginemos os interesses que giravam em torno das castas dominantes da Idade Média. Quantas mentes manipuladoras estiveram a serviço de seus interesses e dos interesses do poder dominante? Quanto conhecimento e experiência acumulados na prática maquiavélica a serviço do orgulho, vaidade e egoismo que dominavam as mentes dos poderosos e aspirantes ao poder! Pobre povo das aldeias e das zonas rurais do velho continente, prisioneiro de interesses mesquinhos "maquiados" de religião ou política e a serviço da hierarquia que mandava e desmandava à mão de ferro!

Hoje, em pleno século 21, não temos mais no ocidente, a fogueira, a forca e a guilhotina que acobertavam crimes bárbaros em nome de interesses escusos, fazendo das vítimas verdadeiros bodes expiatórios, e da "justiça", uma marionetes ao sabor da manipulação e do maquiavelismo.

Hoje, o maquiavelismo não veste mais a túnica escura ou branca, e o carrasco, o seu capuz que o celebrizou na Idade Média. A sutileza e a esperteza, associadas à tecnologia e à "boa aparência", tornou-se a fórmula do sucesso entre mentes que continuam obsecadas pelo poder.

Entender os fatos políticos atuais que envolvem corrupção e tráfico de influências, é o mesmo que retornar ao passado remoto e observar que muitos espíritos envolvidos nesse sórdido jogo, já possuíam suficiente conhecimento e experiência maniqueísta. E como o caráter desses indivíduos manteve-se praticamente inalterado com o passar das reencarnações, ocorreu em relação à estratégia do jogo do poder, somente uma adaptação aos novos tempos.

Tanto cá como lá! Nos trabalhos de desobsessão das casas espíritas, é muito comum recebermos nas reuniões mediúnicas, espíritos obsecados pelo poder, ambiciosos, prepotentes como foram durante as suas passagens terrenas. Muitas vezes, reunidos em organizações com hierarquias onde cada um cumpre o seu papel como faziam quando encarnados. São espíritos intimidadores, persuasivos, maquiavélicos e sedutores, que gostam de se impor pela força e pelo mando.

Por outro lado, recebemos também nas reuniões mediúnicas, espíritos que começam a despertar para a luz do autoconhecimento, depois de passarem por várias reencarnações envolvidos em organizações criminosas.

A arte de manipular mentes é a arte de enganar em benefício próprio. No entanto, ao enganarmos o outrem, enganamos a nós mesmos. O maquiavelismo é uma ilusão que acaba à medida que a verdade sobre nós mesmos vem à tona, revelando o que somos por detrás do que aparentamos ser.

O homem se libertará da obsessão pelo poder, quando os significados de "eterno" e "efêmero" estiverem bem resolvidos à luz da consciência. Quando não restarem mais dúvidas a respeito do real objetivo da reencarnação como oportunidade de recomeçar focado na prática do bem comum e na energia do amor verdadeiro.

Psicoterapeuta Interdimensional.

www.flaviobastos.com 

Texto revisado



Obrigado por votar
Gostou deste Artigo?   Sim   Não   

Autor: Flávio Bastos   
Flavio Bastos é criador intuitivo da Psicoterapia Interdimensional (PI) e psicanalista clínico. Outros cursos: Terapia Regressiva Evolutiva, Psicoterapia Reencarnacionista, Terapia Floral, Psicoterapia Holística, Parapsicologia, Capacitação em Dependência Química, Hipnose e Auto-hipnose e Dimensão Espiritual na Psicologia e Psicoterapia.
E-mail: flavio01bastos@gmail.com
Visite o Site do autor e leia mais artigos.

Publicado em 13/08/2010
 

Deixe sua opinião sobre este artigo



Acessar seu Clube STUM
Faça
seu login


© Copyright 2000-2017 SOMOS TODOS UM - O conteúdo desta página é de exclusiva responsabilidade do Participante do Clube. O Stum não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços oferecidos pelos associados do Clube, conforme termo de uso STUM.