Artigo de Flávio Bastos: Não tenha medo de sua mediunidade! - | Artigos do Clube
 
Não tenha medo de sua mediunidade!  
   

Não tenha medo de sua mediunidade!

Autor Flávio Bastos - flavio01bastos@gmail.com


Desde épocas imemoriais muito se tem falado sobre a mediunidade. Ela foi perseguida, aprisionada, apedrejada, queimada na fogueira, ridicularizada e caluniada. Porém, bravamente resistiu a tudo e a todos que com o passar dos séculos tentaram erradicá-la do convívio humano.

Hoje, depois de uma densa névoa em noites de escuridão completa, a luz começa a penetrar e transparecer pelos corações e mentes daqueles que foram perseguidores ou vítimas no passado. A mediunidade, a partir do terceiro milênio, surge como um canal de contato com o conhecimento e sabedoria que emana da Fonte Universal, em benefício da evolução ético-moral e espiritual da humanidade.

Portanto, foi-se o tempo em que o portador da faculdade de contato interdimensional era estigmatizado e visto como um bruxo ou pessoa demente. Com a chegada dos novos tempos de expansão da consciência humana, a mediunidade surge como um importante mecanismo natural de transmissão de mensagens e informações, para que ocorra, gradualmente, a mudança de mentalidade associada às significativas transformações que definirão a forma como o homem do futuro próximo, reorganizar-se-á no âmbitos social, político e econômico.

O médium, então, passa a ser mais responsavel à medida que aumenta a partir do presente, o seu compromisso com o futuro da humanidade. Por isso, todos são chamados para a terefa de mútua responsabilidade que implicará na sua parcela de contribuição para um mundo melhor.

Se você vê, ouve, escreve,  desenha ou prevê os acontecimentos de uma forma em que a maioria das pessoas não consegue, é porque você possui a percepção suprasensorial - ou sexto sentido - mais desenvolvido. No entanto, a sua mediunidade pode encontrar-se em situação de desequilíbrio, e precisa ser trabalhada através do estudo e desenvolvimento equilibrado para atingir níveis de sintonia espiritual compatível com a tarefa e o perfil mediúnico de seu portador.

Na vida humana sobre o planeta Terra tudo tem o seu tempo, e a mediunidade, aos poucos, começa a ganhar o seu lugar de destaque nas universidades e, como decorrência, no âmbito científico. Portanto, não tenha medo de assumir a sua mediunidade, mas ao contrário, sinta-se prestigiado em ser portador de um potencial que executa a função de intermediar informações às quais o homem necessita para processar mudanças que beneficiarão a sua própria espécie e o planeta em que habita.

Nesse sentido, as profecias maias, a Bíblia, o Espiritismo e mensagens que chegam até nós por canalizações mediúnicas, apontam para este começo de milênio, o início da mudança vibratória da Terra. Tarefa que caberá a todos os indivíduos que assumirem com confiança e consciência, a sua percepção suprasensorial.

O tema abordado neste artigo é uma resposta-orientação aos muitos e-mails que recebo de pessoas que relatam os seus dramas pessoais a respeito de suas expreriências extrasensoriais, em que as consequências do preconceito e da desinformação fazem com que esses médiuns sintam-se inseguros e desorientados em relação a como melhor encaminhar as suas situações.

Algumas dessas pessoas são moradoras de cidades pequenas ou do meio rural, onde não possui nenhum centro espírita kardecista para que possam recorrer no sentido da orientação e do esclarecimento. A essas pessoas sugiro a leitura das seguintes obras de Allan Kardec: "O Livro dos Espíritos" e "O Livro dos Médiuns". Paralelamente à leitura, a pessoa deve criar o hábito da prece espontânea, pois o hábito da oração, ou seja, da elevação do pensamento, é a "receita" para elevar a sua sintonia e trazer para próximo de si, o mentor, guias e demais amigos da espiritualidade superior que só querem ajudar-nos e proteger-nos na nossa caminhada evolutiva. Não esqueçam do "Orai e vigiai", palavras de Jesus Cristo que sintetizam a atitude diária que devemos tomar para a preservação de um campo áurico ideal.

Em relação às pessoas médiuns-analfabetas ou que não dispõem de recursos financeiros para comprar livros, vale a orientação descrita acima sobre a importância da prece e do "orai e vigiai" no cotidiano de suas vidas. Lembrando que o "vigiai" diz respeito a estarmos atentos às tentações em forma de sedução que geralmente sintonizam com as nossas carências ou sentimentos não ou mal resolvidos.

Há cerca de 15 dias, ao adentrar no edifício onde localiza-se o meu consultório, fui interceptado por uma ex-paciente que solicitava a minha ajuda no sentido de interceder em favor de uma senhora - sua tia - que estava, conforme suas palavras, "incorporada". Ao chegar à sala onde encontrava-se a senhora, logo apliquei-lhe um passe energético na altura do chacra coronário e frontal, ao mesmo tempo que a fiz sentar em uma poltrona. À medida que fui dizendo para a entidade espiritual invasora que ali não era lugar para ela dar passagem - e aplicando o passe - a senhora foi se acalmando até retornar a seu estado de "normalidade". Era um típico caso de mediunidade em desequilíbrio...

Após o "atendimento" de emergência, convidei-a a comparecer no meu consultório no dia seguinte quando teria um tempo para recebê-la informalmente. Ela compareceu no horario sugerido e relatou-me as suas experiências dos últimos treze anos, quando eclodiu a sua mediunidade ostensiva da vidência, audiência, premonitória, psicógrafa e de comunicação (passagem). Passara durante muitos anos por tratamento químico-medicamentoso, e por pressão dos filhos, consultara recentemente um psicólogo que após dizer-lhe que não tinha o que fazer, pois ela era uma pessoa normal, deu-lhe alta no final da primeira consulta.

E assim meus amigos, ocorrem muitos casos semelhantes em que as pessoas portadoras de mediunidade ostensiva, mas em desequilíbrio, não sabem o que fazer e se desesperam, ou simplesmente se submetem a longos tratamento químicos que cortam para sempre - ou temporariamente - o fluxo de sua mediunidade. Portanto, pense bem, e se for a sua decisão, não tenha medo de assumir e harmonizar - em benefício próprio e do outro - o seu potencial mediúnico. E seja feliz!


Psicanalista Clínico e Interdimensional.

www.flaviobastos.com

Dirigente mediúnico espírita



Obrigado por votar
Gostou deste Artigo?   Sim   Não   

Autor: Flávio Bastos   
Flavio Bastos é criador intuitivo da Psicoterapia Interdimensional (PI) e psicanalista clínico. Outros cursos: Terapia Regressiva Evolutiva, Psicoterapia Reencarnacionista, Terapia Floral, Psicoterapia Holística, Parapsicologia, Capacitação em Dependência Química, Hipnose e Auto-hipnose e Dimensão Espiritual na Psicologia e Psicoterapia.
E-mail: flavio01bastos@gmail.com
Visite o Site do autor e leia mais artigos.

Publicado em 16/07/2009
 

Deixe sua opinião sobre este artigo



Acessar seu Clube STUM
Faça
seu login


© Copyright 2000-2017 SOMOS TODOS UM - O conteúdo desta página é de exclusiva responsabilidade do Participante do Clube. O Stum não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços oferecidos pelos associados do Clube, conforme termo de uso STUM.