Artigo de Flávio Bastos: Basta a auto-responsabilidade! - | Artigos do Clube
 
Basta a auto-responsabilidade!  
   

Basta a auto-responsabilidade!

Autor Flávio Bastos - flavio01bastos@gmail.com


"Auto-responsabilidade é a certeza absoluta (crença) que você é o único responsável pela vida que tem levado. Consequentemente, é o único que pode mudá-la". Autor anônimo.

Nascemos seres frágeis, totalmente dependentes de cuidados e de atenção permanente, caso contrário, não sobrevivemos. Porém, à medida que se processa o nosso desenvolvimento infantil, tornamo-nos cada vez mais seguros na forma como nos relacionamos com o próprio corpo e com o mundo à nossa volta. Num piscar de olhos, já estamos nos locomovendo com agilidade e interagindo com outras crianças. Mais rápido ainda chega a adolescência com a sua característica de afirmarmos, pouco a pouco, a nossa independência em relação aos pais. É uma fase de conflitos e descobertas amorosas, pois começamos a perceber que não somos mais crianças.

A fase adulta surge meio que ainda misturada à adolescência. Com a sua chegada, pecebemos que certas responsabilidades nos chamam para o direcionamento de nossas vidas: profissão, emprego, filhos, etc. Começamos a nos sentir cada vez mais fora do ninho familiar, como que a bater asas em direção ao horizonte de possibilidades que a vida costuma oferecer.

Com o passar do tempo, a percepção de auto-responsabilidade aumenta à medida que sentimo-nos sós e responsáveis por si mesmos. É nós e o futuro a ser conquistado pelos nossos desafios e escolhas no presente. No entanto, justamente na faixa etária que vai dos vinte aos trinta e cinco anos, começa a repercutir em nossos psiquismos, de uma forma mais ou menos intensa, sequelas traumáticas da infância somadas a sintonias de outras vidas.

Fixações em situações pregressas traduzidas, principalmente, por sentimentos de rejeição, solidão e abandono geram crises de depressão que afetam o humor e a motivação para encararmos os desafios da vida. Percebemos que não somos tão auto-responsáveis como parecíamos ser, pois dependemos da cura de nossas feridas internas para continuarmos a perseguir nossos planos e metas de vida.

Nos questionamos: onde buscar a autoconfiança necessária para continuarmos a "luta pelo viver", se a nossa auto-estima está baixa porque estamos deprimidos?

A resposta encontra-se em nosso íntimo, disposta a ser revelada à medida que tivermos as percepções necessárias para chegarmos à profundidade de seu significado, pois a auto-responsabilidade, por si só, representa a forma como estamos conduzindo a nossa vida, ou seja, independentemente das marcas do passado, a vida é sempre uma oportunidade de renovação em si mesma, mas sempre voltada para o fluxo vital saudável e jamais para o refluxo patológico e paralisante.

Portanto, basta estarmos vivos para sermos auto-responsáveis, porque a vida é uma jornada de auto-responsabilização em relação ao que devemos transformar em nós mesmos. Se aparece a crise do pânico, depressiva ou fóbica, o nosso grande desafio é percebermos o conteúdo psíquico e espiritual que encontra-se nos bastidores desses desequilíbrios. E, a partir daí, elaborarmos conteúdos conscientes fundamentados no senso de auto-responsabilidade para podermos reagir à s inconscientes artimanhas do sentimento de vitimização que paraliza o fluxo vital saudável.

A percepção auto-responsável é inerente ao ser humano, e em grau de importância, precede a todas as demais necessidades relacionadas ao crescimento pessoal e profissional, como a necessidade de auto-afirmação e até de autovalorização, porque à medida que o indivíduo "incorpora" o senso de auto-responsabildade equilibrada, assume o comando de sua própria vida de uma forma lúcida e centrada.

Não há síndrome de vitimização que dure para sempre se o indivíduo tiver o firme propósito de descobrir em si mesmo que as responsabilidades da vida (consigo e com o outro) dependem exclusivamente da consciência de auto-responsabilidade. A partir dessa descoberta íntima, a verdade se revela e a vida torna-se mais fácil de ser plenamente vivida.

 

Psicanalista Clínico e Interdimensional.

www.flaviobastos.com

Texto revisado por: Cris

 

 

 



Obrigado por votar
Gostou deste Artigo?   Sim   Não   

Autor: Flávio Bastos   
Flavio Bastos é criador intuitivo da Psicoterapia Interdimensional (PI) e psicanalista clínico. Outros cursos: Terapia Regressiva Evolutiva, Psicoterapia Reencarnacionista, Terapia Floral, Psicoterapia Holística, Parapsicologia, Capacitação em Dependência Química, Hipnose e Auto-hipnose e Dimensão Espiritual na Psicologia e Psicoterapia.
E-mail: flavio01bastos@gmail.com
Visite o Site do autor e leia mais artigos.

Publicado em 13/12/2008
 

Deixe sua opinião sobre este artigo



Acessar seu Clube STUM
Faça
seu login


© Copyright 2000-2017 SOMOS TODOS UM - O conteúdo desta página é de exclusiva responsabilidade do Participante do Clube. O Stum não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços oferecidos pelos associados do Clube, conforme termo de uso STUM.