Artigo de Grupo Psicon: A terapia cognitiva tem demonstrado grande êxito nos tratamentos de várias patologias. - | Artigos do Clube
 
A terapia cognitiva tem demonstrado grande êxito nos tratamentos de várias patologias.  
   

A terapia cognitiva tem demonstrado grande êxito nos tratamentos de várias patologias.

Autor Grupo Psicon - ligabue@grupopsicon.com.br


A terapia cognitiva é baseada no modelo cognitivo - imagem de como concebemos o mundo através de nossos pensamentos - onde acredita-se que nossos comportamentos e emoções são sustentados por pensamentos e crenças adquiridas ao longo de nossa vida. Esses pensamentos, se forem disfuncionais - sem função para nosso momento vivido - é sinal de que nossa harmonia mental, física e social está prejudicada.

Esses pensamentos, muitas vezes, são inconscientes e tão rápidos que os denominamos pensamentos automáticos. Eles podem ter uma boa ou má qualidade. Este modelo busca, com o cliente, a identificação e modificação desses pensamentos automáticos disfuncionais.

Podemos citar um exemplo:
- Situação: ler um Livro
- Tenho como crença: Eu sou incompetente...
- Pensamentos automáticos: Isso é difícil demais... Jamais entenderia isso.
- Reação emocional: tristeza
- Comportamental: fecho o livro
- Fisiológica: peso no abdômen.

Esta psicoterapia foi desenvolvida por Aaron Beck na década de 60, na Universidade de Pensilvânia nos EUA, através de sua experiência clínica com pacientes depressivos. Tem demonstrado grande êxito nos tratamentos de várias patologias clínicas como transtornos de humor: depressão endógena e reativa, dentre outras; transtornos de ansiedade: síndrome do pânico, timidez e insegurança; transtorno de ansiedade generalizada.

É um modelo também utilizado em promoção de saúde para auxiliar a mudança de hábitos e comportamentos e, assim, prevenir doenças. A desistência do uso do tabaco, que é hoje a maior causa de morte evitável no mundo, a escolha de uma alimentação mais saudável, objetivando assim, além da melhora na qualidade da alimentação a diminuição do sobrepeso, da obesidade, evitando–se várias doenças, uma melhor qualidade do sono, que acaba sendo um gerador de estresse e vice-versa. O fim do sedentarismo...
Como promotores de saúde não vamos trabalhar com os fatores estressores, mas com a mudança de hábitos dos indivíduos, melhorando assim sua qualidade de vida.

Silvia Ligabue
Psicóloga Clínica
ligabue@grupopsicon.com.br


2865-4845 e 91296351

Texto revisado por Cris



Obrigado por votar
Gostou deste Artigo?   Sim   Não   

Autor: Grupo Psicon   
Curso: Coaching em Bem estar pela Real Balance Global Wellness Services; 2010- Gestão em Qualidade de vida no trabalho;2009 ABQV/FIA Curso de atualização em Promoção da Saúde – Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP –2008; Participação em Congressos e Workshops e Grupos com temas em Qualidade de Vida – desde 2005 até o presente mome
E-mail: ligabue@grupopsicon.com.br
Visite o Site do autor e leia mais artigos.

Publicado em 23/06/2008
 

Deixe sua opinião sobre este artigo



Acessar seu Clube STUM
Faça
seu login


© Copyright 2000-2017 SOMOS TODOS UM - O conteúdo desta página é de exclusiva responsabilidade do Participante do Clube. O Stum não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços oferecidos pelos associados do Clube, conforme termo de uso STUM.