site stats
CATEGORIAS  |  CARTAS DE CRISTO  |  ESPECIAL  |  PODCAST  |  VÍDEOS  |  CIDADES  |  EXERCÍCIOS  |  KIDS  |  LIÇÕES DE VIDA  |  ORAÇÕES  |  REFLEXÕES  |  AMOR  |   AMBIENTE  |  XAMANISMO

O MEDO E A AUSÊNCIA DO MEDO

O MEDO E A AUSÊNCIA DO MEDO

Para viver a ausência do medo, é preciso viver o medo. A essência da covardia é não reconhecer a realidade do medo. O medo pode assumir muitas formas. De fato, sabemos que não podemos viver para sempre. Sabemos que vamos morrer, por isso temos medo. Ficamos petrificados com a morte. Em outro nível, ficamos com medo de não conseguir fazer frente às exigências que o mundo nos faz. Esse medo se manifesta como um sentimento de inadequação. Sentimos que a carga da nossa existência é muito pesada e ao nos confrontarmos com o resto do mundo ela parece mais pesada ainda. Então há um medo inesperado, ou pânico, que surge quando novas situações acontecem de repente em nossa vida. Quando sentimos que não podemos lidar com elas, damos um pulo ou nos contraímos. Às vezes o medo se manifesta como uma inquietação: rabiscamos numa folha de papel, brincamos com os dedos, nos mexemos impacientemente na cadeira. Sentimos que temos que nos movimentar o tempo todo, como os componentes do motor de um carro. Os pistões sobem e descem, sobem e descem. Enquanto estão se movendo, nos sentimos seguros, mas por outro lado temos medo de morrer enquanto os pistões se mexem.

São inúmeras as estratégias que costumamos usar para esquecer o medo. Algumas pessoas tomam tranqüilizantes, outras fazem ioga. Algumas pessoas assistem à televisão, ou lêem uma revista ou vão ao bar e tomam uma cerveja. Do ponto de vista do covarde, o tédio deveria ser evitado, por que quando estamos entediados começamos a ficar ansiosos. Estamos mais perto do medo. A diversão deveria ser estimulada e qualquer pensamento sobre a morte evitado. Então a covardia está tentando viver nossas vidas como se a morte não existisse. Houve períodos na história em que muitas pessoas procuraram a poção da longa vida. Se tal coisa existisse, a maior parte das pessoas a achariam horrível. Se tivessem que viver neste mundo por milhares de anos sem morrer, provavelmente iriam se suicidar muito antes de completar o seu milésimo aniversário. Mesmo se você pudesse viver para sempre, seria incapaz de evitar a realidade da morte e do sofrimento ao seu redor.

É preciso admitir que o medo existe. Temos de perceber o medo e nos reconciliarmos com ele. Devemos observar como nos movemos, como conversamos, como nos comportamos, como roemos as unhas, como, às vezes, colocamos nossas mãos nos bolsos sem necessidade. Então descobriremos como o medo pode ser manifestado na forma de inquietação. Devemos enfrentar o fato de que o medo ronda nossa vida, sempre, em tudo o que fazemos.

Por outro lado, admitir o medo não é motivo para a depressão ou desencorajamento.
Se temos esse medo, temos também capacidade de sentir a ausência do medo.
A verdadeira ausência do medo não é a supressão do medo, mas sim o ato de ir além dele, superá-lo.
Essa superação começa pelo exame do nosso medo: nossa ansiedade, nervosismo, preocupação, e inquietação. Se olharmos para nosso medo, se olharmos por baixo da sua aparência, a primeira coisa que encontramos é tristeza, mais que o nervosismo. O nervosismo está rodando como uma manivela, vibrando, o tempo todo.
Quando diminuímos a velocidade, quando relaxamos em relação ao medo, encontramos a tristeza, que é calma e gentil. A tristeza machuca você no coração, e o seu corpo produz uma lágrima.
Antes de chorar, há um sentimento em seu peito, e, depois disso, você produz lágrimas em seus olhos. Você está a ponto de criar a chuva ou uma cachoeira em seus olhos e você se sente triste e sozinho e, talvez, romântico ao mesmo tempo.

Este é o primeiro indício da ausência do medo, o primeiro sinal da verdadeira atividade do guerreiro.
Você pode pensar que, quando sentir a ausência do medo, você ouvirá a abertura da Quinta Sinfonia de Beethoven, ou verá uma grande explosão no céu, mas não é assim que acontece. Na tradição de Shambhala, para descobrir a ausência do medo, é preciso trabalhar com a suavidade do coração.

O nascimento do guerreiro é como o nascimento dos primeiros chifres de uma rena. A princípio, os chifres são muito suaves e com uma consistência semelhante à da borracha, e exibem alguns fios de cabelo em sua superfície. Ainda não são propriamente chifres. Então, à medida que a rena cresce, os chifres se fortalecem, se desenvolvem. A ausência do medo, no começo, é como aqueles chifres ainda por se formar. Eles se parecem com chifres, mas você não pode lutar muito bem com eles. Quando os primeiros chifres de uma rena crescem, ela não sabe o que fazer com eles. A rena se sente desajeitada de ter aquelas coisas moles e granulosas na cabeça. Mas então começa a perceber que ela deve ter chifres: aqueles chifres algo natural de uma rena. Da mesma forma, quando um ser humano começa a abrir seu coração para buscar a superação do medo, ele pode se sentir extremamente desajeitado e cheio de dúvidas sobre como se relacionar com esse tipo de ausência do medo. Mas, então, à medida que sente cada vez mais essa tristeza, você percebe que seres humanos precisam ser ternos e francos. Então não precisa mais se sentir tímido ou embaraçado em ser gentil. De fato, sua suavidade começa a se tornar envolvente. Você vai querer se abrir para as pessoas e se comunicar com elas.

Quando a ternura evolui nessa direção, você finalmente tem condições de apreciar o mundo ao seu redor. A sua percepção das coisas se torna algo muito interessante.
Você já está tão terno e receptivo que não pode deixar de se abrir ao que acontece ao seu redor. Quando você vê o vermelho, o verde, o amarelo ou o preto, você reage a essas cores do fundo do seu coração. Quando vê alguém chorando ou rindo, ou assustado, você também responde da mesma forma. Nesse ponto, seu nível inicial de ausência do medo está se desenvolvendo. Quando você começa a sentir-se confortável sendo uma pessoa gentil e decente, seus chifres de rena começam a se tornar chifres verdadeiros.
As situações se tornam muito reais, bem reais, e por outro lado, bem comuns. O medo se transforma em ausência de medo de uma forma natural, muito simples, e bem direta.

Este texto, escrito pelo mestre budista Chögyam Trungpa, é um convite para encararmos os nossos medos de uma forma serena e suave. E crescer com eles.
www.cca.org.br


Aproveite e enfrente o medo...


Comentário(s) -


 
 


Energias para Hoje
ernegia
I-Ching:
61 – CHUNG FU – VERDADE INTERIOR
Compreender e fazer-se compreender é o caminho a ser seguido. A honestidade e a integridade são a base das relações duradouras.


ernegia
Runas: Talismã do Amor
Faça uma surpresa agradável para quem você ama.


30
Numerologia: Comunicação
A energia favorece a expressão sob todas as formas. Apresente seus novos projetos e dê vazão a seus talentos. Não disperse interesses.


Louise Hay fala sobre problemas com Varizes
Sente-se imobilizado em uma situação que odeia. Desânimo. Sente-se esgotado e sobrecarregado. Clique e veja mais!






 
NOSSO TRABALHO
Quem Somos
Nossa Missão
Cadastro Gratuito
Anuncie no Site
Arquivo
Depoimentos
Colunistas
CATEGORIAS
Almas Gêmeas
Astrologia
Autoajuda

Autoconhecimento

Corpo e Mente
Espiritualidade
Oráculos
Psicologia
Vidas Passadas
LOJA E SERVIÇOS
Clube Profissional
Clube Semestral
Holos
Atendimentos Online
Cursos Online
Eventos
Serviços
Escolas Parceiras
SOBRE O CONTEUDO
Artigos publicados
Horóscopo Semanal
Blog Diário
Interativos e Oráculos
 
MUNDO
STUM World
Somos Todos Uno
Siamo Tutti Uno
MAIS
RSS
Tablet
Widgets
Celular 3G
Mapa do Site
Edições anteriores
Músicas
Ajuda
Descadastrar-se
Copyright 2000-2014 SOMOS TODOS UM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS